Covid-19: Comissário antecipa previsão de recessão na Europa na ordem dos 7,5%

  • Lusa
  • 27 Abril 2020

Paolo Gentiloni antecipou que as previsões económicas que Bruxelas divulgará em maio, estarão em linha com as projeções do FMI, que preveem uma contração de 7,5% na Zona Euro.

O comissário europeu da Economia antecipou esta segunda-feira que as previsões económicas que Bruxelas divulgará em maio, tendo já em conta o impacto da Covid-19, serão “semelhantes” às do FMI, que preveem uma contração na Zona Euro de 7,5%.

Teremos uma contração muito acentuada do Produto Interno Bruto (PIB) europeu em 2020, pior do que aquela [verificada] durante a crise financeira global, e os nossos números serão de uma magnitude semelhante à das últimas previsões do FMI, que antecipam uma contração de 7,5% na Zona Euro”, revelou o comissário Paolo Gentiloni, durante um debate com a comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu.

Apontando que as previsões económicas da primavera serão publicadas a 7 de maio, o comissário italiano disse que a referência que pode ser utilizada neste momento é o ‘Fiscal Monitor’ divulgado em 14 de abril pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que antecipa uma recessão de 7,5% na Zona euro e de 7,1% no conjunto da União Europeia.

A pandemia mudou as perspetivas da nossa economia de forma dramática. Já eram frágeis antes da crise, devido a riscos negativos, mas agora é claro que uma recessão profunda na Europa é inevitável este ano”, apontou, indicando então que os números estarão em linha com os do FMI.

Intervindo pouco antes, o vice-presidente executivo da Comissão responsável por “Uma Economia ao Serviço das Pessoas”, Valdis Dombrovskis, observara que “ainda há uma considerável incerteza sobre o impacto total da crise”, até porque tal “dependerá tanto da evolução da doença, como da resposta política à Covid-19”, mas também apontou para uma queda do PIB europeu “entre os 5% e os 10%”.

Gentiloni observou ainda que a crise, “simétrica e externa”, afeta todos os Estados-membros, mas uns mais do que outros, o que será também tido em conta no plano de recuperação no qual Bruxelas está a trabalhar.

“A crise afeta-nos a todos, mas, de acordo com o quadro que está a emergir das previsões [da primavera], terá um efeito marcadamente diferente nos nossos Estados-membros. O PIB cairá mais acentuadamente nuns países do que noutros, assim como a amplitude da perda de empregos também varia”, adiantou.

Em 14 de abril passado, o FMI estimou que a economia da Zona Euro conheça uma recessão de 7,5% este ano, como resultado do que já batizou como “Grande Confinamento”, devido à Covid-19.

Na cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE celebrada na última quinta-feira, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, advertiu os líderes que, no pior cenário, a recessão pode ser ainda pior, nada menos do que o dobro do valor antecipado pelo FMI, ou seja, 15%, designadamente se a resposta europeia não for apropriada.

Relativamente ao plano de recuperação que o Conselho Europeu encarregou a Comissão de propor no início de maio, os dois comissários, embora muito pressionados pelos eurodeputados, escusaram-se a revelar detalhes do trabalho em curso, limitando-se a confirmar que o dinheiro do fundo de recuperação será distribuído aos Estados-membros tanto na forma de empréstimos como de subvenções. “Será um mix de ambos”, disse Gentiloni.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Comissário antecipa previsão de recessão na Europa na ordem dos 7,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião