-8%, -7,1%, 13,9% e 135%. Estes são os números negros do FMI para Portugal

"O Grande Isolamento" terá consequências dramáticas para grande parte das economias mundiais. Portugal não escapará à crise: o PIB vai afundar, défice, dívida pública e desemprego vão disparar.

Portugal vai ser um dos países mais castigados pela crise que o Fundo Monetário Internacional (FMI) chama de “The Great Lockdown“, ou “O Grande Isolamento“, provocada pela pandemia do coronavírus em todo o mundo. A economia vai registar este ano um nível de destruição de riqueza sem precedentes. Como consequência, o défice, a dívida pública e o desemprego vão disparar para níveis próximos da anterior crise. A boa notícia poderá vir em 2021. Veja os números negros do FMI para Portugal.

Economia cai 8% este ano

De acordo com as estimativas do Fundo, a economia portuguesa deverá afundar 8% este ano, sendo a maior recessão de sempre num só ano — mais grave do que a crise da dívida soberana de 2012 (-4,2%) e do choque petrolífero de 1973 que levou o PIB a encolher mais de 5% em 1975.

A concretizar-se uma queda desta dimensão, 2020 apagará o crescimento da economia registado em 2017, 2018 e 2019, levando o nível de produção nacional para 2016. Em valor, isto significa uma destruição de 16,2 mil milhões de euros.

A boa notícia: 2021 será um ano de recuperação, com a economia a acelerar 5%. Esta evolução terá efeitos nos outros indicadores que vamos ver a seguir: défice, dívida pública e desemprego.

Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do EurogrupoMário Centeno/Instagram

Défice de 7,1% do PIB

Depois do primeiro saldo orçamental positivo em democracia registado em 2019, com as contas públicas a apresentarem um excedente de 0,2%, a crise económica do Covid-19 vai provocar um novo desequilíbrio orçamental em Portugal, com o défice a disparar para 7,1% do PIB este ano.

Com a economia em recessão, o Governo recolherá menos impostos este ano e, por outro lado, verá as suas despesas subirem face à resposta necessária para apoiar empresas e famílias afetadas pela crise (com mais pessoas no desemprego), o que explica a dimensão do défice orçamental prevista para este ano.

Apesar de ser um dos défices mais elevados da democracia, este valor ficará aquém do défice registado em 2010 (-7,4%), no início da anterior crise, e igualará o défice de 2014, ano da resolução do BES.

Défice dispara para 7%

Fonte: INE (dados de 2020 e 2021 correspondem a previsões do FMI)

Em 2021, na expectativa de que não se repitam as medidas extraordinárias deste ano mesmo na inexistência de uma vacina, o FMI prevê que o défice desça significativamente para os 1,9% do PIB, valor que já está abaixo dos 3%, o limite imposto pelas regras europeias (ainda que estas estejam suspensas, para já). Para esta melhoria das contas públicas contribui a recuperação de 5% do PIB e a queda da taxa de desemprego para os 8,7%.

O primeiro-ministro, António Costa, no final da 2.ª sessão de apresentação “Situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal”, na sede do Infarmed, em Lisboa, 31 de março de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSAMÁRIO CRUZ/LUSA

Dívida sobe para 135% do PIB

A dívida pública aumentará 17,4 pontos percentuais num só ano, passando de 117,6% para os 135% do PIB e colocando praticamente de parte o objetivo do Governo de baixar a dívida pública para os 100% até ao final da legislatura.

Dívida pública dispara este ano

Fonte: INE (dados de 2020 e 2021 correspondem às previsões do FMI)

Apesar de ser um novo máximo histórico, os 135% previstos pelo FMI não ficam muito longe do anterior pico registado em 2014 de 132,9% do PIB. Desde então que o rácio da dívida pública tinha vindo a cair com o crescimento da economia e a melhoria das contas públicas, mas todo esse esforço será apagado pelo impacto da pandemia.

A boa notícia dentro deste panorama negro é que em 2021, com a recuperação de 5% do PIB e a descida do défice para 1,9%, a dívida pública cairá mais de seis pontos percentuais para os 128,5%, retomando-se o caminho da descida que vinha registando nos últimos anos.

Desemprego dispara para 13,9%

O impacto da pandemia no mercado de trabalho também vai ser dramático. Ainda que o Governo tenha lançado medidas relevantes para que as empresas mantenham os postos de trabalho, como o regime de lay-off simplificado ou as linhas de crédito com garantia pública, muitos empregos vão se perder com a crise do coronavírus.

A queda do PIB levará a taxa de desemprego a mais do duplicar dos atuais 6,5% para os 13,9%, nas contas do FMI. Uma subida do desemprego desta dimensão apagaria toda a melhoria registada desde o final de 2014. Ainda assim, a taxa de desemprego ficaria aquém dos 16,2% registados em 2013, o pior ano da crise das dívidas soberanas para Portugal.

Acompanhando a dinâmica da economia, 2021 trará uma queda da taxa de desemprego para os 8,7%.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

-8%, -7,1%, 13,9% e 135%. Estes são os números negros do FMI para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião