Lisboa segue Europa com ganhos na energia. BCP impede subida maior

As principais praças europeias terminaram o dia com subidas superiores a 1%. Lisboa seguiu a tendência, mas com ganhos menos expressivos.

A bolsa de Lisboa regressou aos ganhos na primeira sessão da semana, com as cotadas do setor da energia a impulsionarem o principal índice. A praça nacional seguiu a tendência das congéneres europeias, numa altura em que vários países começam a preparar o regresso gradual da atividade económica.

Neste contexto, o português PSI-20 subiu 0,59%, para 4.136,58 pontos. Das 18 cotadas, nove fecharam a sessão em alta, enquanto oito ficaram abaixo da linha de água e uma, a Pharol, manteve-se inalterada. Enquanto as empresas do setor da energia deram gás ao índice, o BCP impediu ganhos superiores na bolsa de Lisboa.

A EDP Renováveis subiu 2,08%, para os 10,82 euros, e a EDP avançou 0,82%, para os 3,80 euros. Já a Galp Energia subiu 0,51%, apesar de ter reportado uma quebra de 72% dos seus lucros no primeiro trimestre e de ter revisto em baixa o respetivo plano de investimento em resultado dos efeitos causados pelo coronavírus. Ainda assim, a petrolífera revelou que as refinarias de Matosinhos e Sines poderão reabrir em junho, o que contribuiu para o sentimento positivo dos investidores.

Entre os desempenhos positivos, destaque também para a REN, que somou 0,82%, para os 2,47 euros, bem como para a Corticeira Amorim, que subiu 2,84%, para os 9,05 euros.

Contudo, a banca impediu uma valorização superior do índice nacional. O BCP registou uma desvalorização de 0,74%, para os 9,38 cêntimos. Mas também a Jerónimo Martins recuou 0,25%, para os 15,70 euros.

Com a perspetiva de um regresso à normalidade, as principais praças europeias encerraram a sessão com ganhos superiores a 1%. O índice de referência europeu Stoxx 600 somou 1,64%. O alemão DAX subiu 2,88%, enquanto as bolsas de Paris e Madrid avançaram 2,30% e 1,71%, respetivamente.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Lisboa segue Europa com ganhos na energia. BCP impede subida maior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião