Petróleo volta às quedas. Barril de crude afunda 13% nos EUA

Excesso de matéria-prima e os limites de armazenamento levam a novo tombo das cotações do petróleo nos mercados internacionais. Crude volta a cair abaixo dos 15 dólares. Brent está nos 20 dólares.

Após a bonança, as cotações do petróleo voltam a estar sob forte pressão. O barril de crude derrapa 13% em Nova Iorque, voltando a negociar abaixo dos 15 dólares, enquanto o brent londrino cai 5%. Voltam a acusar o excesso de oferta da matéria-prima no mercado e o quase “transbordar” dos limites de armazenagem global.

O preço do barril de crude recua em Nova Iorque 12,99%, para os 14,74 dólares, após quatro sessão a recuperar da sangria que pela primeira vez na história há precisamente uma semana levou a matéria-prima a negociar com valores negativos. Do lado de cá do Atlântico, o barril de brent apresenta uma queda mais modesta. Após três dias a subir, desvaloriza 4,99%, para os 20,37 dólares, no mercado londrino, dando com terminado um ciclo de três sessões de recuperação.

A derrapagem das cotações do petróleo no norte-americano acontece num dia em que emergem os receios de que o armazenamento em cushing, no Oklahoma, possam atingir a capacidade total em breve. Os stocks de petróleo dos EUA subiram para 518,6 milhões de barris na semana terminada a 17 de abril, perto de um recorde de 535 milhões de barris estabelecido em 2017.

Barril de brent cai em Londres

Os produtores de petróleo denotam não estar a conseguir travar de forma suficientemente rápida o output, sobretudo num contexto em que é esperada uma contração económica global de 2% este ano, uma degradação ainda mais acentuada do que na crise financeira, enquanto a procura de “ouro negro” já colapsou 30% devido aos efeitos da pandemia que ditou a quase paragem de atividade em muitas economias.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus aliados, incluindo a Rússia, grupo conhecido como OPEP+, comprometeram-se no início deste mês a reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia, nível sem precedentes, em maio e junho.

(Notícia atualizada às 9h30)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Petróleo volta às quedas. Barril de crude afunda 13% nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião