Petróleo afunda 20% para 20 dólares em Londres. Em Nova Iorque, está abaixo de zero

Após um dia histórico nos mercados financeiros, o petróleo continua sob forte pressão. Os contratos de futuros para maio do WTI atingem o prazo, numa altura em que o armazenamento está no limite.

O petróleo está sob forte pressão pelo segundo dia consecutivo. Após ter sido feita história em Wall Street com o crude WTI a entrar em terreno negativo esta segunda-feira, a matéria-prima mantém-se em valores abaixo de zero em Nova Iorque. Já em Londres, afunda 20% para apenas 20 dólares.

Pela primeira vez, o WTI negociou abaixo de zero e chegou a tocar -40 dólares. Apesar de o movimento inédito ser visto como um efeito técnico (causado pelo fim do prazo de um contrato de futuros), é também sintomático da dimensão do excesso de petróleo no mercado.

“Sempre pensei no petróleo um pouco como a moeda: é reserva de valor, é controlado por líderes mundiais e faz girar o mundo”, diz Gregory Perdon, Co-Chief Investment Officer da Arbuthnot Latham, à Reuters.

“Mas ontem foi uma chamada de atenção e os investidores seriam negligentes em ignorar que petróleo mais barato significa menor inflação, mais incumprimentos, menor crescimento e mais instabilidade política“, sublinha.

Esse sentimento negativo está a alastrar. Após pouco tempo em terreno positivo, o crude WTI voltou a valores negativos: apesar de subir 79,7% para -7,7 dólares por barril. Já o Brent negociado em Londres afunda 20%, tendo já chegado a tocar nos 18 dólares, no valor mais baixo em mais de duas décadas.

Brent afunda à boleia do WTI

O trigger para estas desvalorizações foi o contrato de futuros do WTI para entrega em maio, que atinge a maturidade esta terça-feira. À medida que os contratos de futuros se aproximam do vencimento, perdem liquidez já que muitos investidores não querem realmente comprar a mercadoria, mas apenas negociá-la ou especular sobre o preço.

Na prática, se os investidores não vendessem o contrato, teriam de ficar com a matéria-prima. Normalmente, vendem-no a quem queira realmente o petróleo, mas, neste caso, o excedente no mercado impediu esse normal funcionamento.

Há 160 milhões de barris que ninguém quer comprar e estão estacionados por todo o mundo, enquanto grande parte da população global está fechada em casa sem precisar de consumir combustíveis. Com a capacidade de armazenamento a atingir o limite, os custos agravam-se.

(Notícia atualizada às 11h00)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo afunda 20% para 20 dólares em Londres. Em Nova Iorque, está abaixo de zero

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião