EUA aproveitam queda para encher reserva estratégica de petróleo

  • Lusa
  • 21 Abril 2020

Perante a queda histórica das cotações do petróleo em Nova Iorque, Trump decidiu comprar 75 milhões de barris para as reservas do país. Vão atingir o limite de 713,5 milhões de barris.

Os EUA vão aproveitar a queda histórica do preço do petróleo para adquirir 75 milhões de barris para a sua reserva estratégica, anunciou o Presidente do país, Donald Trump.

“Vamos encher a nossa reserva estratégica de petróleo (…) e pensamos colocar até 75 milhões de barris nas reservas, o que as encherá”, afirmou Trump, durante a conferência de imprensa diária consagrada à pandemia do novo coronavírus.

Os preços do barril de referência nos EUA, o West Texas Incorporate (WTI), afundaram na segunda-feira e caíram mesmo abaixo de zero, com os investidores a pagarem para se livrarem dos contratos que tinham adquirido.

Já em 13 de março, Trump declarara que tinha a intenção de encher completamente a reserva estratégica.

Em 17 de abril, esta reserva continha 635 milhões de barris e o limite autorizado é de 713,5 milhões.

Instalada num complexo de quatro locais subterrâneos, ao longo das costas do Texas e do Luisiana no Golfo do México, no sul do país, a reserva dos EUA tem uma capacidade total de armazenagem de 727 milhões de barris.

Este petróleo destina-se a responder a urgências, como foi o caso em 1991, na altura da operação “Tempestade no Deserto”, subsequente à invasão do Koweit pelo Iraque, em 2005, depois do furacão Katrina, ou em 2011, durante o levantamento popular na Líbia.

Outras vendas, mais pontuais, ocorreram nos últimos anos, para financiar o Orçamento do Estado.

O valor do barril de petróleo WTI, cotado em Nova Iorque, para entrega em maio, caiu na segunda-feira abaixo de zero, no final de uma sessão infernal, com os investidores a procurar desesperadamente livrarem-se de barris, dado o estado de saturação do mercado.

Fenómeno este que se veio combinar com a queda brutal da procura por causa da paralisia económica provocada pela pandemia.

Com a negociação dos contratos de WTI para entrega em maio a encerrarem esta segunda-feira, os que os detêm procuraram encontrar compradores.

Mas como os stocks têm estado muito cheios nos EUA, durante as últimas semanas, foram obrigados não só a descer os preços para convencer potenciais interessados, mas inclusive a pagar-lhes para ficarem com os barris.

O barril de 159 litros de petróleo cotado em Nova Iorque, que ainda se transacionava a 60 dólares no início do ano e a 18,27 dólares na última sexta-feira, acabou na segunda-feira com o preço negativo de 37,63 dólares (o que os vendedores de contratos pagavam para se verem livres deles), depois de uma queda épica, nunca vista no mercado petrolífero.

O barril WTI nunca tinha descido abaixo dos 10 dólares desde a criação do contrato, em 1983.

Vários analistas esperam que a situação melhore nos próximos dias.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

EUA aproveitam queda para encher reserva estratégica de petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião