Validação de passes no Grande Porto volta a ser obrigatória a 4 de maio

  • Lusa
  • 27 Abril 2020

Depois dos passageiros de Lisboa, também os do Porto terão de retomar o pagamento dos passes de transporte a partir de maio.

A partir de 4 de maio é novamente obrigatório validar os passes e outros títulos de transporte para viajar nos 18 municípios da Área Metropolitana do Porto (AMP), revelou esta segunda-feira a autarquia. Este anúncio surge na mesma altura em que a autarquia de Lisboa tomou a mesma decisão.

Em comunicado, a AMP esclarece que se mantêm um conjunto de medidas de salvaguarda articuladas com os operadores privados, por forma a garantir a segurança de todos os colaboradores e clientes que utilizam diariamente o transporte público. Após a suspensão do estado de emergência, em vigor até 2 de maio, mantêm-se, entre outros, a redução do número máximo de passageiros, limpeza e desinfeção das instalações e equipamentos e a redução do contacto entre profissionais do setor e passageiros.

Será, no entanto, retomada, no próximo dia 4 de maio, a obrigatoriedade de validação dos títulos de transporte, estando desde já asseguradas todas as condições de higiene e segurança que tal ato possa implicar, salienta a AMP. Neste sentido, todos os clientes que viajem nos transportes públicos do Porto devem estar munidos de um título de transporte válido, o qual poderá ser solicitado a qualquer momento pelos agentes de fiscalização.

A AMP informa ainda que os títulos de transporte Andante podem ser carregados, como habitualmente, nas Lojas Andante, nos agentes Payshop, nos pontos de venda dos próprios operadores ou na rede Multibanco (no caso de pretender adquirir uma assinatura mensal). Nesta fase, aquela entidade apela ainda aos clientes para a utilização da aplicação “Anda”, para que não haja qualquer ponto de contacto com equipamentos ou eventual concentração de pessoas em filas de espera.

A Área Metropolitana do Porto sublinha ainda que continuará a acompanhar todas as orientações emanadas pelas entidades competentes, “reavaliando, sempre que tal se considere oportuno, todas as medidas implementadas, garantindo assim a segurança de todos os que viajam de transporte público”.

Para fazer frente à propagação do novo coronavírus e reduzir o risco contágio, no caso dos autocarros, as empresas de transporte deixaram de vender bilhetes a bordo e os passageiros passaram a entrar pela porta traseira, sem precisarem de validar o seu título. Também no Metro, as validações foram suspensas e reforçadas a desinfeção das carruagens.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Validação de passes no Grande Porto volta a ser obrigatória a 4 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião