Petróleo dispara 15%. Stocks sobem menos do que o esperado

Preço do barril de crude dispara 15% em Nova Iorque, enquanto o do brent londrino soma 5%. Subida das reservas aquém do esperado e perspetiva de retoma de atividade das economias puxam pelas cotações.

Após o tombo da última sessão, o petróleo recupera. As cotações do “ouro negro” avançam nos dois lados do Atlântico, com o crude a sobressair com um disparo de 15%, em Nova Iorque. Subida das reservas aquém do esperado e perspetivas de retoma de atividade das economias puxam pela cotação da matéria-prima.

Após fortes desvalorizações na sessão anterior, as cotações do petróleo recuperam, com o barril de brent a avançar 5,27%, para os 21,53 dólares, em Londres. Mais acentuada é a recuperação do crude que dispara 15,48%, para os 14,25 dólares, em Nova Iorque.

O avanço das cotações acontece depois de conhecido que os stocks de petróleo dos EUA subiram de 10 milhões de barris para 510 milhões de barris na semana até 24 de abril, de acordo com os dados divulgados pelo American Petroleum Institute na terça-feira. A expectativa dos analistas apontava para um incremento superior: 10,6 milhões de barris.

Cotações do brent aceleram

“É uma boa notícia que o armazenamento talvez não esteja a encher tão rapidamente nos EUA como seria de pensar”, disse Lachlan Shaw, responsável pelo research de commodities do National Australia Bank, em Melbourne, citado pela Reuters.

Ainda esta quarta-feira, o mercado terá outra leitura sobre os stocks dos EUA quando a Administração de Informação sobre Energia dos EUA divulgar os seus dados semanais.

A expectativa é que os cortes de produção dos produtores de xisto dos EUA, estimados pelos consultores da Rystad Energy em 300 mil barris por dia para maio e junho, possam ajudar a travar o crescimento do armazenamento.

A perspetiva é também que a reabertura das economias após o confinamento ditado pelo coronavírus possa ajudar a puxar pela procura de “ouro negro” e colocar um travão à derrapagem das cotações.

(Notícia atualizada às 9h05)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo dispara 15%. Stocks sobem menos do que o esperado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião