EUA vão endividar-se a um nível recorde por causa do Covid-19

  • Lusa
  • 5 Maio 2020

Departamento do Tesouro dos EUA revelou que vai necessitar de se endividar em 2,99 biliões de dólares por causa dos custos com o combate à pandemia.

O Departamento do Tesouro dos EUA informou que vai necessitar de se endividar a um nível recorde de 2,99 biliões (milhão de milhões) de dólares (2,7 biliões de euros) durante o segundo trimestre para cobrir custos com a pandemia.

O Tesouro adiantou que estes 2,99 biliões vão ultrapassar em muito os 530 mil milhões registados no trimestre julho-setembro de 2008, no contexto da crise financeira da altura.

Esta soma extraordinária de 2,99 biliões num único trimestre excede em muito os 1,28 biliões de dólares com que o Governo norte-americano se endividou no mercado de obrigações em todo o ano de 2019.

O Tesouro adiantou que a elevada soma é necessária para financiar os três biliões de dólares dos vários programas que o Governo aprovou destinados a trabalhadores e empresários.

Acresce que o executivo necessita de cobrir a escassez nas receitas provocada pelo adiamento decidido pelo Governo norte-americano do prazo de pagamento de impostos de abril para junho.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 249 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (68.285) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,1 milhões).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA vão endividar-se a um nível recorde por causa do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião