IP estuda taxa sobre carros elétricos

  • ECO
  • 7 Maio 2020

A IP pondera criar uma taxa sobre carros elétricos para pagar a conservação das estradas. Atualmente já é cobrada uma contribuição sobre automóveis a gasolina, gasóleo e GPL.

O conselho geral e de supervisão da Infraestruturas de Portugal (IP) “considera necessário promover uma discussão sobre a existência de uma compensação” para a empresa “sobre os carros elétricos que utilizam a infraestrutura”, à semelhança do que acontece com os restantes veículos automóveis, revela o Jornal de Negócios (ligação indisponível).

A intenção está plasmada no relatório anual de atividades de 2019. “Poderá constituir uma contribuição para a conservação das vias rodoviárias entregues à IP e, no futuro, deveria incorporar uma parcela pelo uso que os carros elétricos fazem das mesmas”, sublinha o documento. Atualmente já é cobrada uma contribuição sobre automóveis a gasolina, gasóleo e GPL, que gerou 701 milhões de euros à IP em 2019, um aumento de 2% face ao ano anterior.

O tema já foi “abordado numa reunião com o conselho de administração executivo pois o conselho geral e de supervisão entende ser muito importante que sejam consideradas alternativas em resultado desta alteração do paradigma introduzido pelas viaturas elétricas“, defende o órgão. As vendas de carros elétricos têm vindo a aumentar. Atualmente, representam 0,3% do parque automóvel de ligeiros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

IP estuda taxa sobre carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião