Tem um parque de estacionamento? Esta startup quer dar carregadores para carros elétricos

A Power Dot, empresa portuguesa 100% sustentável, instala gratuitamente carregadores elétricos em parques de estacionamento. Cobre todos os custos associados à operação.

Startup 100% portuguesa e 100% sustentável procura parceiros empresariais para negócio sério. Este poderia ser um anúncio numa qualquer página de classificados, mas é, na realidade, o mote da Power Dot, empresa cujo modelo de negócio se distingue pela instalação gratuita de carregadores elétricos em parques de estacionamento privados de acesso público, com oferta de todos os custos associados à operação. Um valor que pode oscilar muito — algures entre três mil e 100 mil euros — consoante as características do projeto: ligação direta a uma fonte de alimentação elétrica, tipo de carregador (dos lentos aos rápidos), número de pontos de carregamento, tempo médio de estacionamento, entre outras.

O objetivo desta startup passa por estabelecer o máximo de parcerias com donos de parques de estacionamento (que tenham outros serviços associados, como centro comerciais, restaurantes, ginásios, retail parks, municípios), para fazer crescer o negócio à medida que cresce também o parque de carregadores elétricos da empresa em Portugal.

Para isso, a empresa decidiu diferenciar-se dos restantes operadores de pontos de carregamento licenciados pela Direção Geral da Energia e Geologia (área de negócio onde operam gigantes como a EDP e a Galp, mas também a Prio, Repsol, Mota-Engil, EMEL, entre muitas outras) ao assumir à cabeça os custos totais do equipamento, da sua instalação e a gestão da operação. Além disso, a Power Dot também partilha posteriormente as receitas obtidas com o carregamento elétrico com os donos dos parques, cujo core business está longe da mobilidade elétrica. Como contrapartida, explicou José Sacadura, CEO da Power Dot, ao Capital Verde do ECO, os proprietários dos espaços apenas têm que ceder os respetivos espaços de estacionamento.

Em operação há cerca de um ano e meio, desde dezembro de 2018, este ano a Power Dot tem como objetivo “consolidar este seu modelo de negócio, de modo a tornar-se um dos principais players neste setor em Portugal. A meta é estar presente no maior número de parques de estacionamento possíveis, de modo a estar no caminho dos donos dos veículos elétricos, permitindo que estes tenham um ponto de carregamento onde quer que vão, sem necessidade de desvios”.

Feitas as contas, só no primeiro ano de atividade da empresa a eletricidade consumida nos carregadores Power Dot permitiu aos condutores realizarem mais de um milhão de quilómetros, o equivalente a duas viagens e meia entre a Terra e a Lua, e poupar mais de 150 toneladas de dióxido de carbono.

A Power Dot inicia agora o ano de 2020 com 90 postos de carregamento de norte a sul do país (na sua maioria duplos, que equivalem a 180 pontos), maioritariamente localizados em centros comerciais, como por exemplo o Amoreiras, Espaço Amoreiras, Braga Parque, Arena Shopping, Nosso Shopping, Spacio Shopping e Alameda Shop & Spot, no Mondego Retail Park, em centros empresariais ou de escritórios como o Lionesa, em Matosinhos, nos supermercados da cadeia Intermarché, nos restaurantes McDonald’s e lojas da Norauto, na Câmara Municipal de Lamego e no município de Mafra, e mais recentemente nas Docas de Santo Amaro, em Lisboa.

Soma-se ainda a presença no IPO do Porto, no posto de combustível Q8, na Estrada da Circunvalação, no MARL de Lisboa (Simab), e em estacionamentos de empresas como o escritório de advogados Vieira de Almeida, a consultora imobiliária CBRE, a holding de investimentos The Edge Group e a gestora de ativos imobiliários Widerproperty.

Já em fase de instalação estão mais 70 carregadores, prevendo a Power Dot chegar ao final do ano com uma presença em 100 parques de estacionamento localizados em todos os distritos do país. A ambição para os próximos meses passa assim por quintuplicar a atual presença em 40 parques de estacionamento (espalhados em Lisboa, Porto, Faro, Évora, Guarda, Leiria, Aveiro, Coimbra, Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Viseu e Castelo Branco) para 100 espaços com cobertura nacional. “Queremos expandir a operação até ao final do ano para estamos em todos os distritos do país”, disse José Sacadura.

Para o CEO da Power Dot, o modelo de negócio “atrativo” desta startup é precisamente o “fator mais diferenciador e o segredo para este rápido crescimento. A empresa nasceu com o objetivo de dinamizar a mobilidade elétrica em Portugal. Para isso, precisávamos de ser criativos e muito pragmáticos. Foi assim que decidimos que queríamos estar no caminho dos consumidores. Ou seja, onde quer que eles fossem, nós estaríamos lá, desde que houvesse um parque de estacionamento”.

E acrescenta: “Qualquer parque de estacionamento pode ter um carregador Power Dot sem qualquer custo ou risco para o proprietário. Basta entrar em contacto connosco e nós fazemos a instalação e a gestão do equipamento. Desta forma, os donos dos parques apenas cedem o espaço e em troca obtêm lucro, ao mesmo tempo que valorizam a sua oferta e contribuem ativamente para uma maior oferta de soluções de mobilidade sustentável.”

No terreno, a Power Dot desenvolve soluções de carregamentos para veículos elétricos tanto para particulares como para frotas, e instala carregadores de diferentes potências, desde 3,7 Kw a 50 Kw, adaptando a oferta às necessidades dos utilizadores de um determinado parque de estacionamento: carregadores semi-rápidos (1h30 de carregamento, em média) em zonas comercias, em que o tempo de permanência ronde os 60 minutos, e carregadores lentos (6h de carregamento) em parques de escritórios, onde a duração do estacionamento é igual à do horário de trabalho.

Já as frotas de veículos de empresas “têm diferentes necessidades de carregamento e por isso precisam de soluções à medida”, como é o caso da Uber, empresa com a qual a Power Dot estabeleceu uma parceira exclusiva para a criação de uma rede alargada de cinco hubs de carregamento elétrico com 12 carregadores rápidos (50KW). “Os motoristas da Uber têm dois hubs no distrito do Porto (Maia e Bonfim) e três hubs em Lisboa (Airfut, Doca de Santa Amaro e Tires). Cada hub tem a capacidade para carregar simultaneamente entre 4 a 8 carros”, frisa a empresa.

O preço de carregamento varia entre 0,13 euros a 0,15 euros/minuto e uma poupança estimada de 1,65 euros por carregamento, o que para cada motorista poderá significar uma poupança mensal de aproximadamente 200 euros. Além disso, os espaços estão desenhados para serem confortáveis para os motoristas enquanto aguardam pelo carregamento, garantindo serviços de limpeza, Wi-fi, café, entre outros.

“Esta parceria está alinhada com a nossa missão: criar soluções de carregamento para veículos elétricos de forma a reduzir a dependência dos combustíveis fósseis na mobilidade. Acreditamos que um futuro mais verde passa por uma mobilidade mais partilhada e elétrica e por isso, desenvolvemos esta solução de carregamento económica e conveniente para todos os parceiros e motoristas Uber”, acrescentou Afonso Pinheiro, responsável por soluções para frotas da Power Dot.

Apesar de Portugal ser o 4º país da Europa com maior percentagem de carros elétricos, e as vendas destes veículos terem aumentados 69% em 2019, o parque de carregadores não acompanha este crescimento. Um estudo recente da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, refere que o país precisa de 40 mil postos de carregamento até 2030, quando atualmente conta apenas com cerca de mil.

Notícia atualizada com mais informação

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Tem um parque de estacionamento? Esta startup quer dar carregadores para carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião