Portugal é dos países da UE que mais precisa de postos elétricos de carregamento

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2020

Portugal é o sétimo país europeu com mais necessidade de investir em postos de carregamento de carros elétricos. Estudo da T&E refere que o país precisa de 40 mil postos de carregamento até 2030.

Portugal é dos países da Europa que mais precisa de investir em postos de carregamento de veículos elétricos, passando dos atuais mil postos para 20 mil em 2025, concluiu um estudo divulgado esta quarta-feira.

O estudo é da responsabilidade da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (T&E), de acordo com o qual Portugal é o 7.º país europeu com mais necessidade de investir em postos de carregamento de veículos elétricos.

A T&E diz que o país precisa de 40 mil postos de carregamento até 2030.

A nível europeu são necessários cerca de três milhões de postos, para alimentar os 44 milhões de veículos elétricos que são necessários para que a União Europeia (UE) se torne neutra em emissões de gases com efeito de estufa até 2050.

Ao todo são precisos 15 vezes mais do que os 185.000 carregadores públicos atualmente disponíveis na UE.

E para financiar os carregadores estima-se na análise da T&E que a Europa precisa de 20 mil milhões de euros nos próximos 11 anos, 1,8 mil milhões por ano, em investimentos públicos e privados.

O estudo, citado também pela organização ambientalista portuguesa Zero, salienta que o setor dos transportes é um dos maiores problemas climáticos da Europa, representando mais de um quarto (27%) das emissões totais de gases com efeito de estufa.

“Em Portugal, a percentagem de emissões associadas ao transporte rodoviário ronda um quarto do total. A Europa precisa de uma frota constituída por 40% dos novos carros com emissões zero em 2030 e, vender o último veículo com motor a combustão interna até 2035, o mais tardar”, diz a Zero num comunicado no qual analisa o estudo.

A organização ambientalista portuguesa diz que a colocação dos postos de carregamento deve ser uma prioridade, tanto para a UE como para Portugal. O atraso na colocação dos postos, diz a Zero, está a retardar “de forma muito significativa a adoção da frota de elétricos pelos condutores”.

O estudo da T&E considera também que entre 20% e 30% desses carregadores terão de estar colocados em áreas menos favorecidas e com menos população, para garantir que todos beneficiam de veículos elétricos.

A Zero nota que a próxima revisão da Diretiva sobre Infraestruturas de Combustíveis Alternativos da UE é o “momento crítico” para a Comissão Europeia ajudar os condutores europeus a cobrar e ajudar as empresas a enfrentar a onda de eletrificação.

“A revisão tem de acontecer este ano e deve ser transformada numa legislação com metas ambiciosas para garantir uma implantação rápida e harmonizada de carregadores em toda a Europa”, diz a Zero, de acordo com a qual a transição para os veículos elétricos criará uma oportunidade de mercado de milhares de milhões de euros para a indústria europeia nas obras de rede, fabricação, instalação e manutenção da rede pública.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é dos países da UE que mais precisa de postos elétricos de carregamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião