CaetanoBus transfere produção de autocarros elétricos para Ovar e cria 100 empregos

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2020

A CaetanoBus, do grupo Salvador Caetano, vai transferir para a unidade de Ovar a produção de autocarros elétricos, prevendo criar pelo menos mais 100 postos de trabalho.

A CaetanoBus, do grupo Salvador Caetano, vai transferir para a unidade de Ovar a produção de autocarros elétricos, prevendo criar pelo menos mais 100 postos de trabalho, disse esta sexta-feira o presidente do grupo, José Ramos.

“Nesta fábrica [referindo-se à unidade localizada em Vila Nova de Gaia] a capacidade está a atingir o limite. Mas temos um plano de crescimento. Está decidido que tudo o que são autocarros de mobilidade elétrica vão para a fábrica de Ovar, o que obrigará a uma ampliação da fábrica“, disse José Ramos. O presidente da Salvador Caetano explicou que o chassi dos autocarros elétricos “já é produzido em Ovar” e que a produção integral deste segmento acontecerá “num horizonte de quatro a cinco anos”.

Questionado sobre se esta aposta obrigará a reforço de recursos humanos, José Ramos estimou a entrada de “pelo menos mais 100 pessoas” na unidade de Ovar, distrito de Aveiro. O grupo Salvador Caetano apostou, recentemente, num novo projeto de fabrico de autocarros movidos a hidrogénio, veículos com uma autonomia de 400 quilómetros que usam o sistema de pilha de combustível da Toyota.

José Ramos revelou que as primeiras cinco unidades saem este ano e que três delas estarão em outubro na cimeira dos G20. Hoje, o presidente do grupo mostrou “uma grande esperança” no sucesso desta aposta, estimando em 2021 chegar “próximo das 100 unidades” de autocarros movidos a hidrogénio. Outra nota que marcou a visita de Pedro Siza Vieira à empresa com sede em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, foi o negócio do grupo Salvador Caetano com a Abellio, que opera autocarros em Londres.

Em agosto do ano passado foi anunciado que a CaetanoBus fechou um negócio com a Abellio para a venda de 34 veículos elétricos por 15 milhões de euros. Os autocarros e.City Gold “entrarão em operação a partir de março de 2020” e trata-se do “primeiro autocarro elétrico Caetano no Reino Unido, reforçando a já forte presença da marca neste mercado”, referia a empresa portuguesa em comunicado.

Pedro Siza Vieira esteve a bordo de um dos autocarros que vai partir para Londres, tendo no final da visita elogiado a forma como o grupo soube “gerir bem” o “efeito que o Brexit e, simultaneamente, um efeito colateral que era a desvalorização previsível da libra”. “Aqui o Brexit não está a ter nenhum impacto. Esta empresa tem neste momento uma penetração e uma quota de mercado no setor dos autocarros de turismo muito significativa em Inglaterra”, disse o governante.

O ministro da Economia também elogiou a “grande qualidade da engenharia” da CaetanoBus, bem como a “grande diversidade de veículos”. “Quando falamos de veículos elétricos ou veículos que são alimentados a pilha de hidrogénio, estamos a falar de sistemas muito complexos que têm de ser integrados e que exigem muito daqueles que estão aqui a desenvolver estes novos veículos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaetanoBus transfere produção de autocarros elétricos para Ovar e cria 100 empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião