Acessibilidades previstas para o Montijo são “insuficientes para dar respostas às necessidades”, diz Ministro das Infraestruturas

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2020

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, diz que acessibilidades previstas para o aeroporto do Montijo são insuficientes, mas referiu acreditar num acordo com ANA para alteração do contrato.

O ministro das Infraestruturas disse esta sexta-feira que as acessibilidades previstas para o aeroporto do Montijo são insuficientes, mas referiu acreditar num acordo com a ANA para alteração do contrato de concessão.

“Ao nível das acessibilidades, aquilo que está previsto [para o Montijo] é insuficiente para dar resposta às necessidades da cidade de Lisboa”, defendeu o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que falava aos jornalistas à margem do almoço/debate do International Club of Portugal, sobre “Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria”, em Lisboa.

“Obviamente que a ANA percebe que tem que ter um bom relacionamento com o Governo português e com o povo português e com as cidades onde se vai localizar”, acrescentou o ministro.

Admitindo que o Governo tem “algumas reivindicações” em relação ao contrato de concessão assinado com a gestora de aeroportos, Pedro Nuno Santos demonstrou-se convicto de que Governo e a ANA chegarão a acordo para poder ser feita uma “alteração ao contrato de concessão”.

Em 8 de janeiro de 2019, a ANA – Aeroportos de Portugal e o Estado assinaram o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o atual aeroporto de Lisboa e transformar a base aérea do Montijo, na margem sul do Tejo, num novo aeroporto.

No final de janeiro deste ano, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) anunciou que o projeto do novo aeroporto no Montijo, na margem sul do Tejo, recebeu uma decisão favorável condicionada em sede de Declaração de Impacte Ambiental (DIA), mantendo cerca de 160 medidas de minimização e compensação a que a ANA – Aeroportos de Portugal “terá de dar cumprimento”, as quais ascendem a cerca de 48 milhões de euros.

No pacote relacionado com as acessibilidades está incluída uma nova ligação à A12, assim como dois barcos para a Transtejo e um ‘shuttle’ com ligação entre o terminal fluvial do Seixalinho e o aeroporto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acessibilidades previstas para o Montijo são “insuficientes para dar respostas às necessidades”, diz Ministro das Infraestruturas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião