Carnaval “mais português de Portugal” quer ser o mais verde do planeta

Carnaval de Torres gera receitas de cerca de 10 milhões de euros na economia local, levando, este ano, o Ministério da Economia a associar-se aos festejos que prometem ser mais "verdes".

Já é conhecido como o “Carnaval mais português de Portugal”. Agora, quer ser “o Carnaval mais verde do planeta”. Em Torres Vedras, os maiores dias de folia do ano começaram esta sexta-feira e prolongam-se por mais cinco dias, até 26 de fevereiro, mas este ano será dada especial atenção ao ambiente. É tudo eco, do EcoCopo até aos “ecopontos humanos”.

Além de cultural, o evento carnavalesco assume também uma grande importância económica para a região e para o país: os festejos geram receitas de cerca de 10 milhões de euros na economia local, levando este ano o Ministério da Economia a associar-se aos festejos.

No contexto das comemorações da Capital Verde Europeia – Lisboa 2020, a capital acolheu já a Real Embaixada Verde do Carnaval de Torres Vedras, uma comitiva que este ano desfilou com um carro alegórico “ecológico” dedicado ao tema “Por um Planeta Verde”, construído com peças já produzidas em edições anteriores e materiais reciclados.

Além dos carros alegóricos, cabeçudos e matrafonas, já postos para desfilar pelas ruas da capital do Oeste estão também os “ecopontos humanos” da sociedade gestora de resíduos Novo Verde, que pelo segundo ano consecutivo entram em cena para com o “objetivo de diminuir a poluição no recinto da festa e promover diretamente junto do público atitudes mais sustentáveis”.

No ano passado, sob o tema “Made in Portugal’” o Carnaval de Torres Vedras contou já nos vários dias da festa com 15 mochileiros mascarados de figuras emblemáticas (Fernando Pessoa, Amália, Eusébio, Toy, Cristina Ferreira, entre outros), que tinham como missão a recolha e separação de resíduos. Os resultados falam por si: em 2019 foram recolhidas mais de 6.500 embalagens (cerca de 13 toneladas, mais seis toneladas em comparação com a edição anterior, batendo o recorde de reciclagem do evento) — 65% de plástico/metal, 34,32% papel/cartão e menos de 1% vidro, revelou a Novo Verde ao Capital Verde, do ECO.

“Este ano vamos contar com promotores mascarados de três personagens do mundo fantástico — Minions, Shreck e Smurfina — que estarão presentes em Torres Vedras no corso escolar (a 21 de fevereiro) e nos dois principais desfiles de 23 e 25 de fevereiro, para tornar o evento mais sustentável e promover a reciclagem no comportamento dos foliões”, sublinhou ainda a organização.

Em parceria com a Câmara Municipal de Torres Vedras, os ecopontos humanos da Novo Verde vão percorrer as ruas da cidade para facilitar a recolha de embalagens de plástico/metal, papel/cartão e vidro, mostrando a todos que “O Ambiente não é Fantasia: reciclar faz magia!”, como afirma o mote da campanha de reciclagem para 2020.

Filipa Moita, responsável de comunicação da Novo Verde, adianta que “depois do sucesso desta iniciativa em 2019, em que foram recolhidas mais de 6.500 embalagens, regressamos a este evento para continuar a estimular os portugueses a participar ativamente na reciclagem dos seus resíduos. O ambiente de diversão e boa disposição envolve os cidadãos nesta missão, contribuindo para tornar o Carnaval de Torres Vedras mais verde”. Esta iniciativa integra o conjunto de ações de educação e sensibilização ambiental levadas a cabo pela Novo Verde em parceria com a Comunidade Intermunicipal do Oeste, no âmbito do Programa Oeste Circular.

Já Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, destaca a implementação de medidas ambientais e sustentáveis ao longo das várias edições do evento. “Queremos melhorar cada edição do Carnaval de Torres Vedras, traçando um caminho rumo à sustentabilidade”, sublinha Carlos Bernardes, relembrando o “vasto leque de medidas que se baseiam nos princípios da sustentabilidade e de respeito pelo ambiente, de que são exemplo os ecopontos humanos da Novo Verde, que dão um importante contributo para a recolha seletiva de resíduos urbanos durante estes seis dias de folia”.

Meio milhão de foliões esperados em Torres Vedras no Carnaval de 2020

De acordo com a empresa municipal Promotorres, que organiza o evento, este ano o Carnaval de Torres Vedras espera meio milhão de visitantes, com um orçamento total de 800 mil euros, mais 50 mil euros face a 2019. As barreiras antiterrorismo vão voltar a existir junto às ruas do corso e há um reforço de oito para 12 câmaras de videovigilância no recinto, uma preocupação de segurança que custa 119 mil euros.

Nos vários desfiles, carros alegóricos e cabeçudos também ajudam à Economia Circular, garante a organização. “A construção dos carros alegóricos é dos processos criativos mais exigentes e complexos na organização do Carnaval de Torres Vedras. Neste âmbito, é de destacar a preocupação crescente com os compromissos ambientais recorrendo sempre que possível à reutilização de materiais de edições anteriores e à utilização de plásticos provenientes de desperdícios de estufas da região. Destaque ainda para os materiais reciclados na conceção dos cabeçudos e dos cocotes, bem como a utilização de tintas e vernizes de base aquosa”, frisam.

Quem passar por Torres Vedras nos próximos dias este Carnaval vai reparar também no EcoCopo, um copo reutilizável vendido por um euro que reduz a utilização de copos descartáveis, uma vez que apresenta um suporte para que seja transportado ao pescoço. Quanto aos copos de plástico de utilização única, não são ainda totalmente banidos da festa mas os foliões podem entregá-los para reciclagem e receber em troca brindes oficiais do evento, uma medida já implementada em anos anteriores.

Diz ainda a organização que os desafios ambientais que marcam o Carnaval de Torres Vedras 2020 não são de agora. “As preocupações em torno de valores como a preservação do ambiente e a sustentabilidade são cada vez mais importantes para a organização do Carnaval de Torres Vedras. A edição deste ano dá continuidade à estratégia que tem vindo a ser implementada ao nível da gestão de resíduos e, simultaneamente, introduz novas práticas. Logo em 2013, através do tema “Reciclagem”, o evento apelou ao sentido de responsabilidade ambiental dos foliões enquanto assumia uma clara aposta na reciclagem dos resíduos produzidos”, sublinham.

A partir de 2017, o compromisso de reduzir o impacto ambiental do Carnaval de Torres foi reforçado com a adesão à iniciativa Eco Evento Valorsul, que dá formação e apoio para uma gestão adequada de resíduos, disponibilizando uma contrapartida financeira calculada em função do desempenho ambiental do evento. Na edição de 2020, o valor será atribuído ao Centro de Acolhimento Temporário para Crianças em Risco Renascer.

Este ano, o “Carnaval mais português de Portugal” dá também voz ao movimento “Loving the Planet”, uma plataforma global de comunicação que promove a sustentabilidade, tendo um dos seus representantes sido convidado para Embaixador da Sustentabilidade no Carnaval de Torres Vedras. Aos bares, restaurantes e estabelecimentos inseridos no recinto será distribuído um “Guia de Boas Práticas Ambientais”.

Nas redes sociais, o Carnaval de Torres Vedras associou-se em 2020 pela primeira vez ao movimento #DeclareAção, que visa desafiar a sociedade a adotar comportamentos em prol de uma sociedade mais saudável e viável, utilizando as plataformas digitais e o seu potencial mobilizador como principal canal de convocação.

Com a previsão de temperaturas altas em Portugal na próxima semana, nesta edição será também distribuída, em copos de papel, água dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Torres Vedras, durante os corsos. Já a redução da poluição sonora associada ao evento também é tida em conta, através da realização de “medições de ruído junto das habitações, da emissão de música em sentido contrário aos edifícios habitacionais, sempre que possível, e do controlo da potência das fontes sonoras”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carnaval “mais português de Portugal” quer ser o mais verde do planeta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião