Pacto para plásticos vai comprometer empresas e Estado na redução dos descartáveis

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2020

Vai ser assinado na terça-feira um pacto para vincular setor público e privado à redução dos plásticos descartáveis. Produzimos 5,2 milhões de toneladas de resíduos em 2018, mais de 11% plásticos.

A associação de resíduos Smart Waste apresenta na terça-feira um pacto em que pretende comprometer câmaras, empresas e universidades na redução de plásticos de uso único, com metas definidas até 2025.

Numa iniciativa já aplicada no Reino Unido, Chile e França, os envolvidos no pacto, que ainda não está totalmente fechado, vão aderir a um projeto pela “criação de uma economia circular para os plásticos, na qual estes nunca se converterão em resíduos, e comprometer-se a atingir um conjunto de metas e objetivos ambiciosos para 2025”.

No papel de “amigo crítico”, a associação ambientalista Zero regista que nos últimos anos não se tem conseguido reduzir o volume de resíduos, incluindo o plástico.

Susana Fonseca, da área dos resíduos da Zero, afirma que a associação “espera para ver” que resultados poderá conseguir este pacto, assinalando que, “no conjunto, a tendência tem sido aumento de resíduos” e que “pouco ou nada foi feito” na prevenção e na reutilização. “Este pacto pode ser uma boa ferramenta, mas vamos esperar para ver”, afirmou.

De acordo com os números mais recentes da Agência Portuguesa do Ambiente, que se referem a 2018, foram produzidas 5,2 milhões de toneladas de resíduos — mais 04% do que no ano anterior –, 11,5% das quais são plástico.

Desde 2014, a quantidade de resíduos produzidos tem aumentado todos os anos. A APA reconhece que “os esforços e investimentos que têm vindo a ser feitos no sentido do aumento da deposição seletiva, não têm tido os devidos reflexos nos comportamentos da população”.

Na apresentação do pacto, na sede da EDP, estará o ministro do Ambiente e Ação Climática a representar o Governo, que tanto as entidades da Smart Waste como a Zero defendem que tem um papel essencial para que as intenções do pacto tenham sucesso.

É ao executivo que compete criar “políticas públicas de utilização dos plásticos”, disse à Lusa o presidente da Smart Waste, Aires Pereira, quando a iniciativa foi lançada em setembro passado. Susana Fonseca indicou também que taxar o uso de plásticos de uso único é uma competência do Governo que ainda não produziu resultados.

“Isto não pode parar no plástico, temos que atacar tudo o que é descartável”, disse a ambientalista, salientando que substituir plástico por outros materiais não é uma alternativa viável e que é preciso garantir a reutilização.

O pacto é promovido a nível internacional pela fundação Ellen Macarthur, que pretende acelerar a transição para a economia circular.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Pacto para plásticos vai comprometer empresas e Estado na redução dos descartáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião