Patrões querem aeroporto no Montijo “sem mais demoras”

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2020

Várias confederações patronais apelaram ao Governo para que inicie as obras com vista à instalação de um aeroporto civil no Montijo "sem mais demoras.

Várias confederações patronais apelaram ao Governo para que inicie, “sem mais demoras”, o processo de reconversão da base militar no aeroporto complementar do Montijo.

“É necessário que o Governo assuma, com clareza e determinação, a urgência de avançar com esta obra, essencial e estratégica para a economia nacional, dando início imediato à fase de implementação do aeroporto do Montijo”, referem as confederações em comunicado.

O apelo junta a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI).

“Tratando-se de uma infraestrutura aeroportuária de irrefutável benefício para o país e para a economia nacional — servindo os interesses de todas as atividades económicas e dos cidadãos portugueses — o aeroporto do Montijo apresenta-se, hoje, como a única solução que responderá em termos de custos, eficácia e competitividade a um problema que se arrasta desde há mais de 50 anos, com graves prejuízos para o país”, lê-se no documento.

Refira-se que o Aeroporto Humberto Delgado atingiu, em 2017, todos os fatores de capacidade fixados contratualmente com o Estado previstos para ser desencadeada uma solução alternativa para aumentar a capacidade aeroportuária da capital, referem. “Desde então, este aeroporto tem vindo a perder muitos passageiros por ano, que equivalem a muitos milhões de euros em receitas para o país”, sinalizam.

Com o aeroporto do Montijo, acrescentam, o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa permitirá um crescimento de até 50 milhões de passageiros, potenciando ainda o hub da TAP à América do Norte e à América do Sul, bem como à proximidade aos países da diáspora portuguesa.

O Governo recebeu em janeiro uma declaração de impacto ambiental favorável emitida pela Agência Portuguesa do Ambiente para a concretização da construção do novo aeroporto do Montijo. Porém, a declaração favorável está condicionada ao cumprimento de 160 medidas de mitigação, às quais a ANA – Aeroportos de Portugal terá de dar cumprimento — medidas que ascendem a cerca de 48 milhões de euros.

Aeroportos portugueses com 60 milhões de passageiros em 2019. Mais de metade em Lisboa

De acordo com os dados divulgados na terça-feira pela Vinci, dona da ANA – Aeroportos de Portugal, os aeroportos portugueses movimentaram quase 60 milhões de passageiros no ano passado, um crescimento de 6,9% em relação ao período homólogo.

“Os 10 aeroportos em Portugal movimentaram quase 60 milhões de passageiros em 2019, com o tráfego a aumentar 6,9%. Os aeroportos do Porto e de Lisboa, com taxas de crescimento de 9,8% e 7,4%, respetivamente, são dois dos mais dinâmicos da União Europeia”, salientou o grupo. A Vinci informou ainda que “o crescimento do quarto trimestre (6,4%) ficou em linha com a tendência geral do ano”.

De acordo com os dados divulgados pela gestora, o aeroporto de Lisboa transportou 31,1 milhões de passageiros, um aumento de 7,4%, e o do Porto atingiu os 13,1 milhões de passageiros, o que representa um crescimento de 9,8%, face ao período homólogo.

Em Faro, o aeroporto movimentou mais de nove milhões de passageiros, um acréscimo de 3,7%, enquanto na Madeira o aumento foi de 0,7%, para 3,3 milhões de passageiros e nos Açores de 6,2%, atingindo os 2,4 milhões de passageiros, face ao ano anterior.

Nas previsões para este ano, a Vinci garantiu que “continuará a trabalhar com o Governo português para converter a base aérea militar do Montijo num aeroporto civil e para modernizar o Aeroporto Humberto Delgado. O objetivo deste projeto é aumentar a capacidade de receber passageiros na capital portuguesa, acomodando o crescimento de tráfego esperado para os próximos anos”.

Globalmente, os aeroportos detidos pela Vinci movimentaram 255 milhões de passageiros no ano passado, em 46 infraestruturas, mais 5,7% do que no ano anterior, em 12 países, de acordo com o grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Patrões querem aeroporto no Montijo “sem mais demoras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião