Roupa de desporto feita com lixo do mar e garrafas de plástico. Empresas portuguesas correm para conquistar novos mercados

Sete empresas de Famalicão e dois centros tecnológicos levaram à Alemanha uma mostra de produtos sustentáveis e inovadores. No total são 41 empresas portuguesas a embarcar nesta aventura.

Portugal tem-se destacado no setor do têxtil pela sua capacidade inovadora no que respeita à sustentabilidade e as empresas de Vila Nova de Famalicão são prova disso mesmo. Sete empresas famalicenses e dois centros tecnológicos estão presentes na maior feira têxtil do mundo dedicada ao desporto, a ISPO, que está a decorrer em, Munique, na Alemanha até quarta-feira.

O objetivo primordial das empresas é apresentar produtos e matérias-primas têxteis do futuro associados à inovação, tecnologia, design e moda.

“São empresas que representam o que de melhor se faz em Portugal na indústria têxtil e do vestuário de elevada tecnicidade para o segmento de desporto”, explica o vereador dos pelouros da economia e internacionalização, Augusto Lima, que está também de visita à ISPO, lembrando que os têxteis técnicos famalicenses representam já 156 milhões de euros de exportações.

Famalicão é conhecida como a Cidade Têxtil de Portugal e neste certame estão representadas a CM Socks, DuneBleue, Fradelsport, Lusosocks, Oldtrading, Olmac e Scoop e dois centros tecnológicos, o Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal (CITEVE) e o CeNTI. No total são 41 empresas portuguesas que integram a comitiva na maior feira têxtil do mundo dedicada ao desporto.

Mas não é só a tecnologia e a inovação que dominam o certame. “As empresas famalicenses vieram à ISPO exibir também a sustentabilidade dos seus produtos, demonstrando assim uma preocupação cada vez maior com a responsabilidade social e ambiental. A sustentabilidade é a aposta de futuro e é muito positivo verificar que há cada vez mais empresas a abraçá-la”, refere Augusto Lima.

Os secretários de estado da economia, João Neves, e da internacionalização, Eurico Brilhante Dias, visitaram na segunda-feira, os expositores portugueses na ISPO.

Empresas famalicenses apostam na inovação e sustentabilidade

A empresa Lusosocks estreou-se na ISPO para apresentar uma nova marca de peúgas, “inovadora e com produtos diferenciados do mercado e da concorrência do setor”, diz Miguel Campos, em comunicado. A empresa vai também apresentar um novo artigo patenteado e já premiado pelo júri da ISPO.

Outra das empresas a marcar presença neste certame é a CM Socks. Já é a segunda vez que participa na ISPO, depois de se estrear em 2019, sobretudo para dar a conhecer a “Prevent Sprain”, uma meia que previne entorses e cuja tecnologia está patenteada em 143 países.

À semelhança da CM Socks a Fradelsport conta com duas participações na ISPO. Nesta edição apostou em apresentar uma coleção ecológica para a modalidade de running, “com tecidos sustentáveis e linhas produzidas através de um polímero reciclado de flocos de garrafa de plástico, numa parceria com a famalicense Crafil”, explica em comunicado Paulo Reis, sócio-gerente.

Especializada em meias técnicas, a Dune Bleue também apresentou umas novas meias produzidas com fio reciclado proveniente dos resíduos recolhidos nos oceanos. “São artigos de valor acrescentado, graças a uma combinação vencedora entre o know-how da empresa e a confiança estabelecida com os nossos parceiros”, sublinha Ricardo Faria, CEO da empresa.

Especializada no vestuário sem costuras, o chamado seamless, a Oldtrading está igualmente focada no futuro sustentável. Aproveitou esta feira têxtil para expor artigos que foram produzidos com fios reciclados, a partir de resíduos plásticos (redes, garrafas e outros) recolhidos no fundo do mar. “Os mercados e clientes do Norte da Europa são muito sensíveis à defesa e proteção do ambiente”, lembra Rui Gordalina, CEO da Oldtrading.

Outro exemplo de sustentabilidade é a Olmac. Tem apostado no private label e na ligação a marcas de luxo associadas à moda com sofisticação técnica. Aproveitou a presença na ISPO para dar a conhecer novos artigos mais em harmonia com a natureza e com o ambiente. Segundo o CEO da empresa, Olímpio Miranda, a sustentabilidade é “responsabilidade de todos e de cada um”. “Sustentabilidade, pegada ecológica, responsabilidade energética. Conceitos na mente de muitos, realidade na Olmac”, refere.

Recentemente reconhecida pela ONU pelas suas boas práticas empresariais, a Scoop levou para a ISPO o “Musgo”, um casaco tecnológico 100% português dotado de iluminação inteligente com fibras óticas, e outros artigos “altamente técnicos, mas que usam materiais ecológicos oriundos de fibras naturais”, sublinha Daniel Mota Pinto, diretor de desenvolvimento de negócios.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Roupa de desporto feita com lixo do mar e garrafas de plástico. Empresas portuguesas correm para conquistar novos mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião