Têxtil e calçado e capital de risco, que saídas?

Setor do têxtil vê no capital de risco um "parceiro de negócio", o calçado concorda e considera que "o facto de uma empresa ter um parceiro de capital de risco credibiliza-a".

Pela primeira vez o têxtil e o calçado encontraram-se com um private equity para discutir os temas das indústrias. Temas como o capital, a marca, a inovação e, claro, o financiamento foram discutidos neste encontro que juntou gestores como o presidente da Anivec, César Araújo, Luís Guimarães, da Polopique, e Manuel Carlos, presidente executivo da Appicaps, com os partners da fundo Vallis, como Eduardo Rocha e Luís Graça.

O presidente da Anivec vê “no capital de risco um parceiro de negócio” e considera que “o capital de risco pode ter um papel decisivo na criação de instrumentos financeiros que permitam que as nossas empresas ganhem músculo e capacidade para intervir no exterior”, refere César Araújo. O setor do calçado concorda e defende que “o facto de uma empresa ter um parceiro de capital de risco credibiliza-a”, porque “tem um projeto ambicioso, a longo prazo”, destaca, Manuel Carlos, presidente executivo da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (Apiccaps).

E do lado dos fundos, que oportunidades vêm na indústria? “Os gestores é que sabem como devem gerir a empresa, dentro do modelo de governo acordado e obedecendo a objectivos estratégicos. Nós somos actuantes mas enquanto gestores não executivo”, assegura Eduardo Rocha, founder e partner CEO da Vallis. E acrescenta: “Nós só investimos nas empresas que são bem geridas”

Que fundo é este? O primeiro fundo, que data de 2010, arrancou com 75 milhões de euros, e os primeiros investimentos surgiram no final de 2012, e tem presença em diversos sectores. O fundo Vallis está já a investir o segundo fundo, com uma capitalização alvo de 150 milhões, dos quais já estão assegurados 125 milhões. Já fizeram dois investimentos, um dos quais numa empresa de transplantes capilares líder em Portugal com enorme capacidade de expansão internacional e um operador de logística de temperatura controlada, uma multinacional que está a sair do país.

“O que os difere da banca? “Nós somos um verdadeiro sócio. Quando corre bem, corre bem para todos. Quando corre mal, corre mal para todos. E nós estamos para juntamente com o nosso sócio continuar o caminho – somos um verdadeiro parceiro de capital”, afirma Luís Graça, outro partner do fundo.

Será a parceria entre o private equity e os empresários a chave para o sucesso?

Para César Araújo, Portugal não tem “uma cultura de capital de risco”. “O mundo mudou, os obstáculos cada vez são maiores. A nossa concorrência dos países emergentes é enorme. Os nossos parceiros desses países estão tão bem preparados e alguns até melhor do que nós, vêm com musculo financeiro capaz de responder a todas as iniciativas, colocando-nos muitas das vezes em situações de dificuldades e a ter de baixar os preços, porque eles são financiados por governos locais”, evidencia na conferência “os desafios do setor: crescimento, internacionalização, sucessão. O papel do private equity”.

Precisamos de investir no exterior. E não há incentivos para investir no exterior. Os incentivos que temos em Portugal nunca financiam nenhum projeto de uma empresa portuguesa no estrangeiro. Só é possível fazer um projeto no estrangeiro com capital de risco.

Manuel Carlos

Presidente Executivo da Apiccaps

O presidente da Anivec apela que é preciso capital para procurar as oportunidades no mercado de consumo. “Nós precisamos de recursos financeiros para poder fazer frente neste desafio global. E por outro lado competência de gestão e sucessão, sendo as nossas empresas quase todas de cariz familiar. Para estes desafios, o financiamento e a capitalização são fundamentais”.

Para o presidente executivo da Apiccaps, Manuel Carlos, é preciso investir no exterior, mas “não há incentivos para investir no exterior. Os incentivos que temos em Portugal nunca financiam nenhum projeto de uma empresa portuguesa no estrangeiro. Só é possível fazer um projeto no estrangeiro com capital de risco”. Acrescenta ainda que Portugal “tem um problema de dimensão e de sucessão das nossas empresas, o que gera alguma desconfiança relativamente à entrada de um parceiro [de capital de risco]”

É importante nós partilharmos, nós colaborarmos e criarmos sinergias entre nós, porque quanto mais pudermos evoluir na cadeia, mais beneficiamos.

César Araújo

Presidente da Anivec

“O que nós podemos fazer é pedagogia”. Em média as empresas no setor do calçado apresentam bons resultados, assegura Manuel Carlos, mas, acrescenta, subsistem nelas a questão da sucessão familiar e de que não precisam de ajuda e de sócios. “Na maior parte das vezes estas afirmações são feitas porque não há um projeto, isto é, para se convidar um parceiro de capital de risco a ser nosso sócio, nós precisamos de lhe dizer o que queremos”. “O facto de uma empresa ter um parceiro de capital de risco credibiliza-a”, porque “tem um projeto ambicioso, a longo prazo”.

“No tema da sucessão, cada caso é um caso e a chave é preparar bem a sucessão, de forma generalizada”, acrescenta o founder e CEO da Vallis.

A professora e antiga secretária de estado da indústria, Ana Teresa Lehmann, também presente neste encontro, destaca a necessidade de integrar tecnologias digitais em todas as áreas do negócio, defendendo que estas “mudam completamente o modus operandi e as formas em que o valor é criado”. Todavia para estar a par desta transformação tecnológica é necessário capital para investir. Ana Teresa Lehmann corrobora a ideia de César Araújo e destaca que para aderir à “inteligência artificial, loT, impressão 3D, cibersegurança, blockchain e fintech são necessários investimentos sérios – financeiros e de recursos humanos”, refere.

Futuro, o que se coloca a estes dois setores?

O mundo está perante uma revolução tecnológica e os setores têm que adaptar-se. Para a secretária de estado da indústria, os três grandes desafios da moda estão “profundamente interligados” e passam por mudanças ao nível do consumidor, digitalização e sustentabilidade. “Eu acredito muito no potencial da inteligencia artificail, também por causa dos padrões de consumo, da manutenção industrial, etc. A digitalização traz muitas oportunidades aumentar a produtividade, de criar valor e de colocar os trabalhadores noutros patamares de melhor qualidade de trabalho. Mas isto exige um investimento em formação incrível, que devia ser prioridade para o país mas de uma forma muito prática”, destaca Ana Teresa Lehmann.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Têxtil e calçado e capital de risco, que saídas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião