Startups portuguesas levantaram 485 milhões de capital de risco em 2018

Média de investimento foi de 3,2 milhões de euros entre os 152 acordos fechados durante o ano passado. Mais de oito em cada dez investimentos foi em fase seed.

O valor de investimento de capital de risco em startups portuguesas chegou aos 485 milhões de euros em 2018, de acordo com dados divulgados pela Lisbon Investment Summit e agregados pela LC Ventures e pela FNABA (Federação Nacional de Associações de Business Angels). De acordo com os dados, os 485 milhões de euros foram resultado de 152 acordos num valor médio de 3,2 milhões de euros de investimento. Oito em cada dez (83%) startups receberam esse investimento em fase seed. O resultado reflete um volume de transações 4,4 vezes maior do que o registado em 2017.

No entanto, retirando as duas grandes rondas de investimento levantadas pela OutSystems (360 milhões) e pela Talkdesk (100 milhões) que lhes garantiram o estatuto de unicórnio [empresas cuja avaliação ultrapassa os 1.000 milhões de dólares], o valor total em 150 acordos passa para 90 milhões e uma média de 600 mil euros por investimento.

No primeiro semestre deste ano, registaram-se 74 acordos de investimento no valor de 54 milhões de euros e uma média de 700 mil euros por ronda. Dos acordos fechados, 89% foram em empresas em fase seed.

De acordo com o estudo, ainda há muito espaço de crescimento para o capital de risco em Portugal e entre as empresas portuguesas. O investimento via venture capital assegura apenas 1% do investimento total em empresas, sendo que o investimento com capitais próprios assegura a maior fatia (65,4%). A banca é a segunda fonte nacional (20%), seguida do financiamento europeu (3,2%).

Segundo os dados da LC Ventures, o apoio público ainda representa um papel importante no total do investimento em Portugal, tendo a relevância do investimento via capital de risco para o PIB diminuído desde 2015 de quase 0,04% para pouco mais de 0,01% no final de 2018.

Em nove anos, o número de empresas de capital de risco em Portugal duplicou (passou de 24 para 48). E, em sete anos (entre 2009 e 2016), o valor de fundos sob gestão também cresceu, de 3,1 mil milhões para 4,6 mil milhões de euros. Também o número de business angels aumentou de 267 em 2010 para 344 em 2018, tendo o capital total passado de 43 para 63 milhões de euros no mesmo período.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startups portuguesas levantaram 485 milhões de capital de risco em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião