De 0 a 1.000 milhões. Como nasce um unicórnio?

"Não muda nada" mas muda tudo. Ser unicórnio é valer 1.000 milhões e muito mais. Outsystems e Talkdesk juntam-se ao provável "senhor que se segue", a Feedzai, para tentar explicar como chegaram lá.

“Internamente não muda nada.” É assim, sem artifícios e com os pés bem assentes na terra, que Rui Pereira, cofundador da OutSystems, descreve um dia a dia “normal” de uma empresa portuguesa para o mundo.

“Para já, pelo facto de sermos unicórnio para nós, internamente, não aconteceu nada. Foi um dado novo e muito mediatismo, há mais pessoas a conhecer-nos mas, do ponto de vista da organização, não mudou grande coisa“, desmistifica Rui. No entanto, algo mudou. Pelo menos, cresceu.

Foi a 5 de junho de 2018 que se soube da notícia. Na sequência de uma ronda de financiamento internacional, a empresa chegava a uma avaliação de 1.000 milhões de dólares, tornando-se a segunda fundada por portugueses — depois da Farfetch — a atingir o estatuto de unicórnio. “A OutSystems anuncia o levantamento de 360 milhões de dólares numa ronda de investimento por parte do KKR e do Goldman Sachs”, pode ler-se no documento. “O valor do financiamento coloca a empresa bem acima dos mil milhões de dólares e vai ser utilizado para acelerar a expansão do negócio e novos avanços em I&D em software de automação”.

"Não é por sermos unicórnio que as pessoas ficam mais tempo na empresa.”

Rui Pereira

Cofundador da OutSystems

O processo começou há 18 anos anos quando Paulo Rosado, o CEO da empresa, e os seus quatro cofundadores, decidiram criar uma organização virada para o mundo. “A OutSystems não é uma startup, tem 18 anos. E o principal de todos eles foi ter um propósito, que é o que nos faz levantar todas as manhãs”, explicava Rui Pereira na “Clinic Unicórnios Portugueses”, um evento para colaboradores internos, dirigido sobretudo a trabalhadores envolvidos na transformação digital do grupo (Digital Global Unit), e para alguns convidados.

“Em 18 anos há altos e baixos. Mas há muito mais baixos do que altos. A única maneira de resistir 18 anos é realmente acreditar no que se está a fazer”, acrescentou.

Ao lado de Rui estavam representantes de outro unicórnio, a Talkdesk, e também da Feedzai, apontada por muitos como a próxima startup portuguesa a chegar à avaliação dos 1.000 milhões.

No caso de Raoul Félix, a seu primeiro contacto com um “unicórnio-to-be” foi através de um tweet. No dia em que Cristina Fonseca e Tiago Paiva ganharam o concurso que os levou a Silicon Valley para apresentarem a sua recém-criada ideia de negócio — a Talkdesk — Raoul, ex-colega dos dois engenheiros no Técnico, deu-lhes publicamente os parabéns através do Twitter. Dias depois, a empresa, ou melhor, os dois fundadores, convidavam-no a integrar a equipa. “Mal eu sabia”, conta CTO da Talkdesk, o mais recente unicórnio fundado por portugueses.

No palco do auditório da EDP, Raoul explicou por que fases passou a empresa até chegar à avaliação de mil milhões de dólares. É que se em 2011 a Talkdesk era apenas um protótipo, chegou agora àquilo a que Raoul chamou de Adulthood phase. Isso implica a gestão de equipas maiores — 500 pessoas globalmente –, 1.400 clientes, 200 milhões de chamadas e a gestão de 500 milhões de contactos.

“Temos muitos desafios que queremos resolver, muitas alterações de produto e novas funcionalidades que queremos atacar e estamos à procura de pessoas que consigam ajudar-nos a levar esses desafios para a frente e que queiram fazer parte deste rocket ship, deste desafio que é a Talkdesk”, explicou Raoul.

Mariana Jordão, diretora de operações da Feedzai, fala desse propósito por outras palavras. “Na Feedzai combatemos os bad guys”, brinca. E esse propósito, assegura, serve de trigger na hora de trabalhar, dia após dia, no crescimento de um objetivo comum: a empresa. A Feedzai trabalha em conjunto com 10 dos maiores bancos a nível mundial no combate ao crime financeiro. “A partir do momento em que nós trabalhamos essencialmente com bancos, entidades importantes e muito conservadoras, têm de acreditar que a empresa a nível tecnológico vai ser future proof”, que é como quem diz, à prova de futuro.

Criada por três amigos em 2011, a empresa abriu recentemente um novo escritório, na Austrália, e quer continuar a crescer “de forma rápida e ágil”, reinventando a aproximação ao mercado. “Queremos estar um passo à frente e não um passo atrás”, assegura Mariana.

O segredo para o crescimento, aponta a COO, passa também pela maneira como se olha para cada característica. “A inteligência artificial (AI) é ‘like running water‘, uma autêntica commodity“, assegura. “Sem internet, o mundo para. E a AI tem as mesmas características”.

Gerir o não

Rui Pereira diz que o caminho do zero a unicórnio assenta numa aprendizagem específica: a gestão do não. O “propósito” é importante, as pessoas “e a capacidade de nos agruparmos”. Mas a resiliência, acredita, é fundamental.

É que o caminho para unicórnio prevê muitos zeros. “Quando éramos muito mais pequenos e colocámos a ambição que resulta, de certa maneira, no tema ‘unicórnio’, longe nós estávamos de ter a consciência de que iríamos ser unicórnios. Mas colocámos uma meta que é suficientemente ambiciosa”, conta. Mas como se avalia a “medida da ambição”? “Quando a primeira vez que estabelecemos um objetivo, ele nos parece… parvo”.

“Temos outra meta que é também muito ambiciosa: quando é que chegamos a 10B, aos 10 mil milhões de valorização que agora também parece um bocadinho parva, mas também chegará o tempo, julgamos nós, que não vai ser. Colocamos metas para chegar lá. A única coisa que queremos é continuar a fazer crescer a empresa. E não nos distraímos com unicórnios, A, B ou C. Porque com consistência e resiliência vamos chegar aí”, acrescenta Rui.

Como nasce um unicórnio?

(A)tração de Unicórnio?

Mas, ser unicórnio muda o poder de atratividade da empresa? Rui Pereira acha que não. “Não é por sermos unicórnio que as pessoas ficam mais tempo na empresa (…) Unicórnio não serve para nada a não ser um certo reconhecimento dos media e consequentemente de quem lê os media. Mas para quem estava na dúvida sobre ir para a OutSystems ou não, ser unicórnio ou não ser é ali um incentivo extra. Além disso, não há grandes vantagens em ser unicórnio”, refere.

O nosso grande desafio é ir crescendo a equipa à mesma velocidade que crescemos o negócio.

Mariana Jordão

COO da Feedzai

Raoul discorda. “Talvez mude o nosso poder de atração para o mercado, o facto de agora passarmos a ser chamados de unicórnio nas notícias, realmente mostra presença nesse sentido. Acho que ajuda mas, acima de tudo, não é suficiente. Temos de nos mostrar às pessoas, o espaço em si tem de ser atrativo mas [também] os desafios para as pessoas e a noção de que há espaço para crescimento, missão. Isso é muito mais importante, captar e reter as pessoas para elas continuarem a fazer o seu percurso de crescimento até para outras áreas da empresa. Diria que sim, dá alguma visibilidade mas deve ser usado para reforçar a marca e mostrar às pessoas o que estamos a fazer”.

“Como se consegue crescer em termos geográficos without your wheels falling off. Todas as reuniões implicam que há gente noutro sítio qualquer. O maior desafio de escalar tem a ver com o facto de estarmos a trabalhar numa área tecnológica, precisamos de talento especializado mas de repente há imensas empresas, com imensas vantagens, e muitas contratações competitivas”, assegura Mariana. Por isso mesmo, o “grande desafio é ir crescendo a equipa à mesma velocidade que crescemos o negócio”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

De 0 a 1.000 milhões. Como nasce um unicórnio?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião