A cada quatro dias nasceu um unicórnio na China, em 2018

Foram criados 97 unicórnios tecnológicos na China no ano passado, no que foi um abrandamento em relação a 2017. A maioria opera em serviços de Internet, compras online ou fintech.

Os unicórnios não são uma miragem na China. No ano passado, nasceu um unicórnio tecnológico a cada 3,8 dias no país. Apesar de ser um número impressionante, a quantidade de startups tecnológicas que são avaliadas em mais de mil milhões de dólares na China tem vindo a diminuir, a par com o abrandamento da economia.

Nasceram 97 unicórnios chineses em 2018, avaliados em 178 mil milhões de dólares, escreve a Bloomberg (acesso condicionado/conteúdo em inglês), de acordo com o relatório da consultora Hurun. Destes, 11 foram criados em dezembro, o que contrasta com valores acima dos 30 nos meses anteriores, o que mostra que o ritmo arrefeceu à medida que o final do ano se aproximou.

A quantidade de unicórnios caiu em relação a 2017, quando se registaram cerca de 120 unicórnios. A economia chinesa cresceu 6,6%, em 2018, no que foi o ritmo mais lento dos últimos 28 anos. O abrandamento, numa altura em que tensões comerciais com os Estados Unidos prejudicam as exportações e o sentimento económico, levou a menos investimento e aposta nas empresas em ascensão.

As principais áreas onde as startups brilharam foram nos serviços de Internet, o comércio online e fintech. Mas aquelas mais valiosas dedicam-se às criptomoedas, como a Bitmain Technologies, que lidera a lista com uma avaliação de 50 mil milhões de yuan, a empréstimos online ou à construção de veículos elétricos.

A capital chinesa foi a cidade que viu nascer mais unicórnios, seguida de Xangai. Em ambas se verificou uma queda em relação ao ano anterior, para cerca de metade. Já em Hong Kong o número subiu, sendo que em 2017 nenhuma startup tinha conseguido obter o estatuto de unicórnio.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A cada quatro dias nasceu um unicórnio na China, em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião