China e EUA voltam às negociações sobre a guerra comercial a 30 e 31 de janeiro

  • Lusa
  • 16 Janeiro 2019

Os dois países vão voltar a estar frente-a-frente a 30 e 31 de janeiro para tentar pôr fim à guerra comercial. Washington teme perder domínio industrial face a uma China em ascensão.

A próxima ronda de negociações para pôr fim à guerra comercial entre a China e os Estados Unidos realiza-se em Washington, entre os dias 30 e 31 de janeiro, informou esta quarta-feira o South China Morning Post.

O jornal de Hong Kong, que cita fontes anónimas, escreve que a delegação chinesa será liderada por Liu He, o vice-primeiro-ministro chinês encarregado dos assuntos económicos.

Liu vai reunir-se com o Representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, detalha o jornal.

Liu He participou já numa das reuniões, durante a ronda de diálogos, que se realizou em Pequim, entre os dias 07 e 09 deste mês.

Tratou-se do primeiro frente-a-frente desde que, no início de dezembro, os Presidentes dos Estados Unidos e da China, Donald Trump e Xi Jinping, respetivamente, concordaram uma trégua de 90 dias, para encontrar uma solução para as disputas comerciais que ameaçam a economia mundial.

Os dois países aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um.

Trump exigiu que a China ponha fim a subsídios estatais para certas indústrias estratégicas, à medida que a liderança chinesa tenta transformar as firmas do país em importantes atores em atividades de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos, ameaçando o domínio norte-americano naquelas áreas.

Mas o Partido Comunista Chinês está relutante em abdicar dos seus planos, que considera cruciais para elevar o estatuto global do país.

E apesar de Trump ter escrito na rede social Twitter que a primeira ronda de diálogos “correu bem”, as duas partes não abordaram ainda as divergências fundamentais, limitando-se a abordar a promessa da China de comprar uma “quantidade substancial” de produtos agrícolas, energia, bens manufaturados e outros produtos e serviços dos EUA.

Mas Washington quer também “mudanças estruturais” na política chinesa para o setor tecnológico, mais acesso ao mercado ou melhor proteção da propriedade intelectual e o fim da ciberespionagem sobre segredos comerciais de firmas norte-americanas.

Desde que os líderes dois países concordaram com o período de trégua, a China reduziu as taxas alfandegárias sobre veículos importados dos EUA, retomou a compra de soja norte-americana e apresentou um projeto de lei para proibir a transferência forçada de tecnologia.

Trump suspendeu temporariamente o aumento, de 10% para 25%, das taxas alfandegárias sobre 200 mil milhões de importações oriundas da China.

Comentários ({{ total }})

China e EUA voltam às negociações sobre a guerra comercial a 30 e 31 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião