Maioria das empresas portuguesas preocupada com ciberataques

  • Lusa
  • 7 Maio 2020

Os ciberataques continuam a ser uma das grandes preocupações das empresas portuguesas, figurando desde 2018 no primeiro lugar de um top elaborado pela Marsh Portugal.

As maioria das empresas portuguesas considerou os ataques cibernéticos o maior risco que enfrentam este ano, de acordo com o estudo anual da Marsh Portugal “A Visão das Empresas Portuguesas sobre os Riscos 2020”.

Segundo os resultados do mais recente estudo da consultora de riscos e corretora de seguros, o risco de ataques cibernéticos é o que mais preocupa as empresas nacionais, quer a nível interno (que elas podem vir a enfrentar), como a nível externo (que o mundo poderá enfrentar). Esta preocupação, refere a Marsh, mantém-se em primeiro lugar no top das preocupações dos empresários desde 2018.

Para a realização deste estudo, a Marsh contou com a participação de 170 empresas portuguesas (81% delas não cotadas em bolsa), de 22 setores de atividade, com diferentes volumes de faturação e número de colaboradores.

O inquérito revelou que 55% das empresas portuguesas considera que os “ataques cibernéticos em grande escala” são o principal risco que o mundo poderá vir a enfrentar em 2020, seguido de “eventos climáticos extremos”, com 39%. Em terceiro lugar, surgem as “crises fiscais e financeiras em economias chave”, com 37%, seguidas de “ataques terroristas em larga escala”, com 32%, e, por último, a “instabilidade social profunda”, com 26%.

A Marsh ressalva que a recolha de dados que suportam este estudo foi feita entre o mês de janeiro e o início de fevereiro de 2020, razão pela qual as preocupações demonstradas com o efeito da pandemia de Covid-19 não estão ainda muito presentes. No entanto, em janeiro, já 16% das empresas portuguesas identificava o risco de “pandemia/propagação rápida de doenças infecciosas” como um dos que poderia afetar o mundo, com 6% a referir considerá-lo um dos que a sua empresa iria enfrentar durante este ano.

“Assistiremos a um maior número de ataques cibernéticos aos sistemas informáticos estatais e da generalidade de empresas e particulares [em 2020], criando ainda maior disrupção e riqueza para organizações criminosas e terroristas. Serão tempos em que as forças políticas podem mudar de posição e as lutas pelo poder poderão dar origem a novas esperanças ou ainda maiores receios”, defendeu, em comunicado, o especialista de Risco da Marsh Portugal, Fernando Chaves.

Relativamente aos valores orçamentados para a gestão de riscos em 2020, o estudo revela que 35% das empresas diz ter disponibilizado mais verbas para esse segmento e 44% afirma ter estabilizado.

“A gestão de riscos é uma peça crucial nos modelos de gestão. A gestão de riscos está a experienciar um bom momento, algo que pode ser testemunhado nos resultados deste estudo. […] As empresas com uma gestão de riscos bem implementada são as mais resilientes em momentos difíceis como o que vivemos e, talvez por isso, continuam a encontrar oportunidades para continuarem a crescer”, considerou, na mesma nota, o diretor-geral da Marsh Portugal, Rodrigo Almeida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria das empresas portuguesas preocupada com ciberataques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião