Rendimento Social de Inserção foi prolongado automaticamente para 18,5 mil pessoas

Os dados do GEP mostram que já foram prorrogadas automaticamente 18,5 mil prestações de Rendimento Social de Inserção.

Foram 18.547 os beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) que viram a sua prestação ser prorrogada automaticamente sem apuramento de novos rendimentos, de acordo com os dados atualizados pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social esta sexta-feira.

Este é um novo dado que consta do boletim do GEP, o qual não era divulgado há dois dias. Este novo quadro mostra que em março, abril e maio 18,5 mil beneficiários do RSI já viram o seu apoio ser renovado, sem ser necessário mostrar provas de que pode receber, e 7.369 pessoas já requereram o RSI nestes meses afetados pela pandemia.

A prorrogação automática do RSI, assim como do subsídio de desemprego ou do complemento social para idosos que caduquem nestes meses, é uma medida de proteção social do Governo para ajudar os mais vulneráveis nesta crise pandémica. No caso do subsídio de desemprego, em março e abril foram prolongadas prestações de 12.512 beneficiários.

Os dados do GEP mostram ainda que, até esta sexta-feira, 106.314 empresas pediram para aderir ao regime simplificado de lay-off, tendo o universo potencial chegado aos 1.290.003 trabalhadores. Contudo, é de notar que este é o número total de trabalhadores dessas empresas, podendo o lay-off aplicar-se apenas a parte da força de trabalho. Além disso, estes números referem-se aos pedidos e não aos trabalhadores/empresas cujo processo já foi aceite.

À data de hoje, havia 378.721 pessoas inscritas no IEFP como desempregadas, mais 9,79 mil face ao final de abril. Este número é complementado pelo número de pedidos de subsídio de desemprego que já chegaram à Segurança Social desde 16 de março. Ao todo, 106.825 pessoas já fizeram esse pedido até 8 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendimento Social de Inserção foi prolongado automaticamente para 18,5 mil pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião