Presidente do TdC liga “má execução” do investimento público à do Portugal 2020

  • Lusa
  • 8 Maio 2020

Vítor Caldeira observou que "a taxa de execução média do quadro Portugal 2020, em 2018 era de 34%, à volta disso".

O presidente do Tribunal de Contas (TdC), Vítor Caldeira, associou esta sexta-feira, na Comissão de Orçamento e Finanças do parlamento, a “má execução” do investimento público nos Orçamentos do Estado à taxa de execução média do programa de fundos comunitários Portugal2020.

“De facto, é um indicador que tem sido constante. Tem havido, de facto, menor execução da despesa destinada ao investimento público. Não fizemos uma análise detalhada das causas dessa má execução, mas seguramente uma das razões prende-se com a taxa de execução média [do Portugal 2020]“, disse Vítor Caldeira numa audição por teleconferência na Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República.

Na audição, que disse respeito à análise do parecer do TdC à Conta Geral do Estado (CGE) de 2018, Vítor Caldeira observou que “a taxa de execução média do quadro Portugal 2020, em 2018 era de 34%, à volta disso”, o que representa “um progresso de 12% relativamente ao ano anterior, de 2017”.

“Apesar dos fundos estarem comprometidos, e comprometidos quase integralmente, a 90%, há de fato uma execução média relativamente baixa. Os programas com maior execução são o FEDER [Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional] e o Fundo Social Europeu”, prosseguiu, em resposta à deputada do BE Mariana Mortágua.

Durante a audição um dos temas mais mencionados foi também a gestão do património do Estado, com o deputado do PSD Jorge Paulo Oliveira a considerar o Estado “seguramente o maior proprietário do país, mas provavelmente o pior proprietário do país”.

“Não sabe exatamente o que tem, não inventaria suficientemente os seus imóveis, não escreve na matriz nem regista predialmente a totalidade dos seus bens, e entre aqueles que estão escritos ou registados, que é menos de um terço daqueles de que é proprietário, alguns destes imóveis estão registados com valor patrimonial igual a zero ou um euro”, enumerou o parlamentar do PSD.

Em resposta, Vítor Caldeira afirmou que para o tribunal “é uma questão fundamental e que está ligada à necessidade de haver um inventário de todos os bens que integram a esfera do Estado e das instituições públicas”.

O presidente do TdC reconheceu que “há um trabalho que tem sido feito” e um “esforço”, mas que “continua a ser insuficiente, sobretudo no que toca à valorização feita a esse património, sendo certo que há património público cuja valoração para efeitos contabilísticos será sempre difícil”, dando como exemplos o património histórico, arquitetónico ou florestal.

A juíza conselheira Ana Furtado, também presente na audição, referiu que o tema do património do Estado “é uma matéria onde os atrasos são grandes”, e que por esse motivo o Tribunal de Contas está a realizar uma auditoria ao património imobiliário do Estado (excluindo o da Segurança Social), com resultados apresentáveis “provavelmente até ao final do ano”.

O deputado do PCP Duarte Alves questionou também o Tribunal de Contas sobre as Parcerias Público-Privadas (PPP), e Ana Furtado considerou que “é uma área de risco para as finanças públicas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do TdC liga “má execução” do investimento público à do Portugal 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião