Linhas de crédito do MEE podem ser pedidas até 2022. E pagas em dez anos

O Eurogrupo chegou a acordo sobre os aspectos técnicos das linhas de crédito do MEE: os países podem pedir o dinheiro até ao final de 2022 e o empréstimo terá uma maturidade até dez anos.

O Eurogrupo chegou a acordo esta sexta-feira sobre as condições das linhas de crédito que vão ser disponibilizadas pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) para financiar despesas diretas e indiretas relacionadas com a prevenção e cura da pandemia. Os Estados-membros poderão pedir o dinheiro até 31 de dezembro de 2022 e o empréstimo terá uma maturidade até dez anos.

“Chegamos a acordo sobre a proposta do MEE nos termos e condições financeiras comuns” deste instrumento de precaução, o que “inclui um máximo de dez anos para a maturidade média dos empréstimos e modalidades favoráveis dos juros”, lê-se no comunicado divulgado após a reunião desta sexta-feira.

O dinheiro será emprestado a um custo muito reduzido“, classificou Mário Centeno, presidente do Eurogrupo, na conferência de imprensa. Klaus Regling, presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), adiantou que, neste momento, o custo seria à volta de 0,1% (custo de financiamento do próprio MEE) acrescido de uma margem anual de dez pontos base e 0,5 pontos base para os honorários anuais. Há ainda uma taxa de serviço antecipada de 25 pontos base. Contudo, este valor pode ser mais elevado caso o custo de financiamento do MEE suba nos próximos meses.

Ontem a Comissão Europeia divulgou a sua avaliação da saúde financeira dos Estados-membros necessária para aferir se são elegíveis para aceder às linhas de crédito do MEE. A conclusão é que todos os países da Zona Euro poderão pedir estes empréstimos cuja referência será 2% do PIB (de 2019) de cada país. Caso a adesão seja total, este instrumento irá emprestar um total de 240 mil milhões de euros aos Estados-membros.

Os Estados-membros que pedirem para aceder a esta “rede de segurança” terão as linhas de crédito disponíveis durante doze meses, um período que pode ser prolongado duas vezes por seis meses.

A expectativa que existe agora, segundo Centeno e Regling, é que este instrumento esteja operacional daqui a uma semana, 15 dias antes do anterior objetivo de 1 de junho. O passo final para tornar estas linhas de crédito operacionais deverá ser dado a 15 de maio na reunião do conselho de governadores do MEE.

Os ministros das Finanças da Zona Euro voltam a reunir-se na próxima sexta-feira.

Novo presidente do Eurogrupo escolhido em julho

Confrontado com a notícia de que não irá recandidatar-se, Mário Centeno não desfez o tabu e remeteu uma decisão para mais tarde. Como o seu mandato de dois anos termina a 13 de julho, será na reunião do Eurogrupo desse mês que os ministros das Finanças terão de escolher o seu sucessor ou renovar o seu mandato, caso queira recandidatar-se.

“Há muito trabalho exigente para fazer neste momento. Esse é o meu único foco neste momento”, respondeu o atual presidente do Eurogrupo.

(Notícia atualizada às 18h09 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linhas de crédito do MEE podem ser pedidas até 2022. E pagas em dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião