Centeno anunciará “em devido tempo” se é candidato a novo mandato no Eurogrupo

  • Lusa
  • 8 Maio 2020

O ministro das Finanças, Mário Centeno, anunciará “em devido tempo” a decisão sobre uma eventual candidatura a um segundo mandato como presidente do Eurogrupo.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, anunciará “em devido tempo” a decisão sobre uma eventual candidatura a um segundo mandato como presidente do Eurogrupo, estando agora concentrado na resposta à crise da covid-19, indicou esta sexta-feira o seu porta-voz.

Sem comentar expressamente uma notícia avançada pelo jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, segundo o qual Centeno não vai candidatar-se a um segundo mandato como presidente do fórum de ministros das Finanças da zona euro, alegadamente pelo cansaço provocado pela carga excessiva de trabalho também decorrente da acumulação de pastas, o porta-voz do presidente do Eurogrupo recordou que o atual mandato termina apenas em 13 de julho e apontou que só mais perto dessa data deverá ser anunciada uma decisão.

Lembrando que “a decisão do Eurogrupo de eleger o seu presidente deve ser tomada, o mais tardar, na reunião de julho”, o porta-voz indicou que Centeno “tomará e comunicará a sua decisão sobre a sua candidatura a um segundo mandato em devido tempo”.

Há muito trabalho a fazer neste momento e o Presidente do Eurogrupo está concentrado no seu trabalho que, como todos compreenderão, é extremamente exigente nestes tempos de crise”, completou.

O tabu em torno de uma eventual recandidatura de Centeno tem levado nos últimos meses a especulações sobre a sua continuidade ou não à frente do Eurogrupo, hoje reavivadas com um artigo do jornal alemão, que, sem nomear fontes, aponta que o ministro português já terá decidido não cumprir um segundo mandato e que vários ministros estão insatisfeitos com o seu trabalho à frente do fórum informal de ministros da zona euro.

Eleito em dezembro de 2017, Mário Centeno sucedeu ao holandês Jeroen Dijsselbloem na presidência do Eurogrupo em janeiro de 2018, para um mandato de dois anos e meio, que expira assim em julho próximo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno anunciará “em devido tempo” se é candidato a novo mandato no Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião