Com 48 inquilinos, Renato Ferreira propôs a sua própria moratória. “Não quero contrapartidas. Basta que me avisem”

Renato Ferreira propôs aos inquilinos o adiamento das rendas, mesmo antes de ser declarado o estado de emergência. Mas ficou surpreendido quando viu uma maior adesão nos arrendatários comerciais.

O Governo criou um regime excecional de adiamento do pagamento das rendas para esta altura de pandemia, com condições próprias, para ajudar os inquilinos com perdas de rendimentos. Mas há senhorios que se anteciparam a esta decisão e propuseram, por iniciativa própria e com condições mais flexíveis, uma moratória próprias para as rendas. Um deles é Renato Ferreira.

“Vi o que se estava a passar em Itália, mesmo antes do estado de emergência, e percebi que era inevitável que essa situação chegasse aqui. Então comecei a pensar como é que os inquilinos iriam ultrapassar esta situação“, começa por contar ao ECO Renato Ferreira, com 48 imóveis arrendados no Porto, a maioria deles na zona da Baixa. Da cerca de meia centena de rendas que este senhorio tem, 18 são habitacionais e 30 comerciais.

Renato Ferreira propôs uma moratória própria aos seus 48 inquilinos.D.R.

“Mandei email para todos os inquilinos e disse-lhes que viria aí, provavelmente, um estado de emergência, com perda de receitas, e propus-lhes uma moratória unilateral. Vocês ficam a dever a rendas e pagam-nas quando puderem“, recorda, acrescentando que esperava uma maior adesão por parte dos arrendatários habitacionais. Mas foi exatamente o oposto. “É curioso que 60% dos que aceitaram são arrendatários comerciais”, diz, notando que “a maioria dos inquilinos habitacionais agradeceu, mas recusou” a proposta.

A ideia é simples, explica Renato Ferreira. “Eu não estou a perdoar as rendas. Mas também não vou aplicar coimas. Não quero contrapartidas, nem provas por carta, nada. Basta que me avisem. E assim que a situação estabilizar, começam a pagar”, nota, reiterando que “se não der para pagar agora, paga-se mais tarde”.

Este senhorio, de nacionalidade brasileira mas a viver em Portugal há cerca de 20 anos, está disposto a esperar “cerca de dois meses” e depois “voltar a conversar com os inquilinos”. Nessa altura, “quem conseguir pagar em duodécimos [como prevê o regime do Governo], paga”. Quanto a quem não conseguir, Renato Ferreira diz que será preciso “encontrar uma solução”. Mas uma coisa é certa. “Não me sinto confortável em pôr um inquilino na rua”, porque “este é um momento bastante peculiar”, diz.

Esta abertura e iniciativa deve-se, em parte, ao modo como as leis funcionam no Brasil, explica. “Enquanto a legislação em Portugal é mais favorável ao inquilino, no Brasil é muito equilibrada. E é natural que os senhorios e os inquilinos negoceiem tudo”, diz, adiantando que a maior renda que recebe atualmente é de cerca de 7.000 euros e que “as pessoas que pagam rendas de 500 ou 600 euros é que seguram a economia”.

Questionado se colocou a hipótese de, perante esta moratória, pedir um empréstimo ao Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) para colmatar a perda de rendas, Renato Ferreira responde prontamente que não. “Temos de deixar certas ideias do Governo para quem realmente precisa. Se eu tivesse um único imóvel e dependesse dele para sobreviver, não tenho a menor dúvida de que iria aderir. Mas não é o caso”, afirma.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com 48 inquilinos, Renato Ferreira propôs a sua própria moratória. “Não quero contrapartidas. Basta que me avisem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião