Portugal não recebeu mais fundos de Bruxelas “mas teve maior liquidez”, diz ministro

  • Lusa
  • 9 Maio 2020

O ministro Nelson de Souza esclareceu que Portugal não recebeu mais fundos de Bruxelas para responder à pandemia do coronavírus, mas teve maior liquidez por ter acedido aos fundos do PT2020.

O ministro do Planeamento esclareceu que Portugal não recebeu mais fundos de Bruxelas para travar o impacto da pandemia de Covid-19, mas teve maior liquidez por ter acedido aos fundos do Portugal 2020 (PT 2020) que ainda estavam disponíveis.

Portugal não recebeu novos fundos da Comissão Europeia, passou apenas a ter maior liquidez por ter tido acesso mais cedo àquilo que já tinha direito: os fundos do Portugal 2020 ainda disponíveis”, afirmou Nelson de Souza num webinar, que foi organizado pela representação da Comissão Europeia em Portugal para assinalar o dia da Europa.

Do total de fundos ainda disponível no programa, mais de 500 milhões de euros entraram em circulação na economia, entre março e abril, através dos mecanismos de adiantamentos de pagamentos.

Presente na mesma sessão, a comissária europeia da Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, notou que “Portugal tem uma taxa de execução do PT 2020 bastante elevada”, acrescentando que a próxima agenda europeia deve assentar numa política de coesão “forte e de ação rápida”, bem como na sustentabilidade ambiental.

Na sua intervenção, Nelson de Souza reconheceu, por outro lado, que a Comissão Europeia “teve uma capacidade de resposta excecionalmente rápida” através da Política de Coesão, que se afirmou como “a única arma de ação imediata” para responder às necessidades desencadeadas pela pandemia.

Já no que se refere ao plano de recuperação Europeu, o ministro do Planeamento sublinhou que Portugal vai bater-se no sentido que este seja “suficientemente dimensionado [e] que tenha recursos com origem em emissão de dívida pela própria Comissão Europeia”.

O governante vincou ainda que a atribuição de fundos deverá processar-se, por exemplo, com transferências não reembolsáveis, através de um canal que assegure rapidez.

Trata-se de “utilizar os canais que provaram ser eficazes, designadamente a Política de Coesão”, concluiu.

"Portugal não recebeu novos fundos da Comissão Europeia, passou apenas a ter maior liquidez por ter tido acesso mais cedo àquilo que já tinha direito: os fundos do Portugal 2020 ainda disponíveis.”

Nelson de Souza

Ministro do Planeamento

A iniciativa da representação portuguesa da Comissão Europeia, que teve como mote “O Plano de recuperação para a Europa: que lugar para a coesão e desenvolvimento regional”, contou ainda com a participação da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, dos eurodeputados Pedro Marques e Álvaro Amaro e do presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, Carlos Silva Santiago.

De acordo com o último boletim dos fundos da Comissão Europeia, Bruxelas pagou a Portugal, até março, mais de 11 mil milhões de euros, no âmbito do Portugal 2020, aproximando-se de metade do valor total programado, mantendo-se o país no quinto lugar entre os Estados que mais receberam.

Até março, o PT 2020 atingiu uma taxa de compromisso de 93%, mas a taxa de execução fixou-se nos 47%.

Com uma dotação global de cerca de 26 mil milhões de euros, o programa PT 2020 consiste num acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia, “no qual se estabelecem os princípios e as prioridades de programação para a política de desenvolvimento económico, social e territorial de Portugal, entre 2014 e 2020”.

Os primeiros concursos do programa PT 2020 foram abertos em 2015.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal não recebeu mais fundos de Bruxelas “mas teve maior liquidez”, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião