Desemprego recorde nos EUA poderá “piorar ainda mais”, avisa Mnuchin

  • ECO
  • 10 Maio 2020

A taxa de desemprego nos EUA atingiu em abril o valor mais elevado do pós-Segunda Guerra Mundial. O secretário de Estado do Tesouro diz que vai subir ainda mais.

O desemprego nos EUA atingiu valores recorde em abril por causa da pandemia do novo coronavírus, mas a taxa deverá continuar a agravar-se, avisou o secretário de Estado do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin.

“Os números reportados irão provavelmente piorar ainda mais antes de melhorarem”, referiu Mnuchin em declarações ao canal de televisão Fox News, citadas pela agência Reuters.

A taxa de desemprego nos EUA disparou para 14,7% em abril, de acordo com os dados divulgados pelo Departamento do Trabalho, quebrando a taxa recorde do pós-Segunda Guerra Mundial de 10,8% atingida em novembro de 1982.

Uma fonte da Casa Branca citada pela Bloomberg considera que a taxa de desemprego nos EUA pode atingir o pico acima dos 20% em maio ou junho, antes de a economia começar recuperar no segundo semestre de 2020.

Steven Mnuchin adiantou ainda que a Casa Branca está a preparar mais medidas orçamentais para ajudar empresas e famílias na crise provocada pela pandemia, que obrigou os Estados americanos a medidas severas de restrição económica para travar o vírus.

Ainda assim, o secretário de Estado do Tesouro avisou que o governo não vai resgatar financeiramente os Estados que foram “mal” geridos.

Entre as medidas previstas, acrescentou Mnuchin, está um corte dos impostos sobre os salários.

A pandemia do novo coronavírus já matou 279.468 pessoas e infetou mais quatro milhões em todo o mundo desde dezembro.

Os EUA, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de óbitos e de casos, com 78.794 mortes para 1.309.542 casos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Desemprego recorde nos EUA poderá “piorar ainda mais”, avisa Mnuchin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião