Aon e WTW: A verdadeira história de uma fusão milionária

  • ECO Seguros
  • 12 Maio 2020

Os CEO contaram como surgiu a ideia de juntar a Aon Plc e a Willis Towers Watson (WTW). Foi depois da rival Marsh & McLennan anunciar a compra da JLT, em setembro de 2018.

O namoro que conduziu ao processo de fusão em curso entre a AON e a Willis Towers Watson, de que resulta o novo líder mundial de corretagem, está contada numa comunicação dirigida à Securities and Exchange Commission (SEC), entidade de supervisão de mercados financeiros dos Estados Unidos.

O folhetim envolveu avanços e recuos, um processo de aproximação que incluiu tentativas de negociação, e adiamentos devido a fugas de informação na imprensa, muita discussão sobre a hipótese (proposta pela Aon) de uma fusão entre iguais e, por fim, um braço de ferro sobre o valor do prémio subjacente à proposta de aquisição da Willis Towers Watson (WTW), pela Aon. Mas, a transação por um montante de 30 mil milhões foi finalmente anunciada em março de 2020.

Tudo começou em 2018 e a ideia germinou com o conhecimento de que a Marsh & McLennan se preparava para adquirir a JLT, atualmente já consolidada em base proforma nas contas da Marsh.

Um certo dia de outono, Greg Case, CEO da Aon Plc, informa os seus colegas do conselho de administração (board) sobre o interesse de incluir o assunto na agenda de uma reunião ordinária da administração, a realizar em novembro de 2018.

Um potencial negócio de fusão-aquisição entre a 2ª e a 3ª maiores corretoras de seguros do mundo catapultaria a entidade resultante da transação para o primeiro lugar da indústria, à frente da Marsh & McLennan que, entretanto, concluiria a compra da Jardine Lloyd Thompson em abril de 2019, consolidando a sua liderança com considerável aumento de volume de negócios por via desta transação.

Já com apoio do board da Aon, em janeiro de 2019, Greg Case convidou John Haley, CEO da WTW, para um jantar e conversarem sobre “assuntos que importam aos setores onde a WTW e a Aon operam”.

Antes do jantar, em Miami (EUA), e dado que os encontros privados entre os dois líderes não eram rotina, Haley informou os seus colegas que o convite indiciava a possibilidade de uma eventual proposta de negócio. E confirmou-se. Durante o jantar Case sugeriu que estudassem uma “fusão entre iguais” e que a Aon esperava “que, em qualquer transação deste tipo, os acionistas da WTW não recebessem qualquer prémio.

A conversa foi reportada a cada um dos respetivos boards e, a partir de 8 de março, a companhias assumiram que estavam em conversações. As negociações prosseguiram e, em junho de 2019, a Willis Towers Watson contratou a Goldman Sachs para assessorar no potencial negócio. Em agosto, a WTW acordou assessoria jurídica do escritório Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom LLP, especialistas em prática legal de fusões e aquisições.

Em setembro, John Haley revela que o negócio não se concretizaria se a contrapartida financeira não assegurasse um prémio (bónus) para os acionistas da WTW.

Este sinal de recuo marcou o início de uma nova ronda de negociações, por vários meses, envolvendo revisão de valores e regateio de parte a parte. O braço de ferro prolongou-se até final de fevereiro, com sucessivas melhorias da oferta da Aon, até que a 26 de fevereiro as duas empresas acordaram no equivalente a um prémio de 18,6% sobre a cotação de fecho das ações da Willis Towers Watson no dia 25 de Fevereiro, de 202,64 dólares cada ação.

Outros pormenores foram discutidos nas semanas seguintes, incluindo uma comissão de mil milhões de dólares que a Aon fica a obrigada a pagar à WTW caso o negócio não se concretize.

Com o acordo anunciado em março e confirmando-se que a transação seja concluída como previsto, no primeiro semestre do próximo ano, a empresa resultante da combinação será o novo líder global da corretagem de seguros, consolidando receitas estimadas em cerca de 19 mil milhões de dólares, com base nos números de 2019, a comparar com os 16,65 mil milhões da Marsh & McLennan.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aon e WTW: A verdadeira história de uma fusão milionária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião