Calçado à entrada, funcionários de máscara e salas fixas. Estas são as orientações para as creches

As medidas contemplam uma redução do número de crianças por sala e a definição de horários de entrada e de saída desfasados.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou esta quarta-feira as orientações para as creches e amas, que começam a reabrir a 18 de maio. As medidas de prevenção e controlo recomendadas pela DGS contemplam, entre outras, uma redução do número de crianças por sala e a definição de horários de entrada e de saída desfasados. Todos os funcionários devem usar máscara cirúrgica.

As recomendações começam logo no momento antes da abertura. “Todos os espaços devem ativar e atualizar os seus Planos de Contingência, que devem contemplar os procedimentos a adotar perante um caso suspeito de Covid-19 e a definição de uma área de isolamento“, define a DGS.

As creches devem “garantir uma redução do número de crianças por sala”, isto sem “comprometer o normal funcionamento das atividades lúdico-pedagógicas”. Para além disso, quando as crianças estiverem em mesas, berços ou espreguiçadeiras, deve também ser “maximizado o distanciamento físico entre elas“.

A DGS determina que as crianças e funcionários “devem ser organizados em salas fixas, sendo que a cada funcionário deve corresponder apenas um grupo, e os espaços devem ser definidos de acordo com a divisão”. Espaços que não estão a ser utilizados poderão servir para a expansão da creche.

Também tendo em vista evitar o cruzamento entre pessoas, deverão ser definidos horários de entrada e de saída desfasados e a “definição de circuitos de entrada e saída da sala de atividades para cada grupo”. No período de refeições, a deslocação para a sala deve ser faseada para diminuir o cruzamento de crianças e os lugares devem estar marcados.

O calçado fica à entrada das salas em que as crianças se sentam ou deitam no chão, sendo que pode ser solicitado aos encarregados de educação que levem calçado extra para uso exclusivo na creche. As crianças não devem levar brinquedos ou outros objetos não necessários de casa para a creche, e deve ser garantida a lavagem regular dos brinquedos.

As portas e/ou janelas das salas devem ser mantidas abertas, para promover a circulação do ar, garantindo a segurança das crianças. “Na hora da sesta, deve existir um colchão para cada criança e garantir que usa sempre o mesmo, separando os colchões uns dos outros e mantendo a posição dos pés e das cabeças alternadas”, dita a DGS.

Veja aqui as orientações da DGS na íntegra:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Calçado à entrada, funcionários de máscara e salas fixas. Estas são as orientações para as creches

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião