Seguradoras globais atoladas em projeto de areias betuminosas no Canadá

  • ECO Seguros
  • 14 Maio 2020

Informação divulgada pelo regulador da Energia revela uma extensa lista de seguradoras que mantêm presença num dos mais controversos projetos de areias betuminosas.

A apólice de seguro do projeto de expansão do Trans Mountain, um polémico oleoduto que transporta combustível fóssil extraído de areias betuminosas e que atravessa parte do Canadá, foi publicada nos últimos dias de abril pela entidade reguladora da Energia.

O certificado revela detalhes do contrato de seguro que expira no final de agosto de 2020 envolvendo, entre outras, companhias globais como Zurich, Munich Re, entidades do Lloyd´s of London, Chubb e Marsh. As primeiras três seguradoras subscreveram mais de 500 milhões de dólares em coberturas de responsabilidade civil associada ao projeto de areias de elevado teor em carbono. O oleoduto já vai na sua quarta fase de construção e tem justificado polémica por conflituar, ambiental e socialmente, com vastas zonas florestais e comunidades indígenas.

Ato contínuo à divulgação da informação oficial a 24 de abril, a Unfriend Coal, rede global de organizações não-governamentais (ONG) e outros movimentos de ativismo social, apelou às seguradoras para que desinvistam, de vez, dos combustíveis fósseis.

O documento divulgado pelo organismo canadiano identifica sindicatos do mercado Lloyd’s que subscreveram 460 milhões de dólares para o pipeline Trans Mountain. As seguradoras do Lloyd’s são responsáveis individuais por coberturas totalizando de 50 milhões de dólares de cobertura, subscrevendo o restante em conjunto com outras seguradoras.

A Zurich, que tinha uma apólice anterior (por 8 milhões de dólares), aumentou a sua exposição ao oleoduto, revela um dos inúmeros Certificate of Liability Insurance a que é possível aceder na página da Entidade Reguladora da Energia (Canada Energy Regulator). Além da apólice referida, a Zurich duplicou a cobertura que fornece conjuntamente com outras seguradoras por um total de 300 milhões de dólares desde 2019.

A Munich Re – outra das instituições visadas pela plataforma ativista que combate a exploração dos combustíveis fósseis com pesada pegada de carbono – continua a dar cobertura ao gigantesco projeto Trans Mountain através da filial canadiana (Temple Insurance), apontada como a terceira maior seguradora do controverso oleoduto.

Além das três companhias europeias denunciadas pela ONG, a Chubb e outras são identificadas no certificado assinado pela Jardine Lloyd Thompson (atualmente integrada no grupo Marsh) como tendo interesses ligados ao projeto. Aliás, os ficheiros acessíveis no sítio do regulador canadiano mostram que o número de seguradoras e corretoras com contratos no projeto é bastante mais extenso, incluindo ainda a Liberty Mutual, a AIG Canada, Aon, Willis Towers Watson, entre outras.

A Unfriend Coal condena a conduta destas companhias, algumas das quais subscreveram o Compromisso de Paris, “mas ainda prosseguem atividades que alimentam a crise climática”, denuncia Lindsay Keenan, coordenadora europeia da Unfriend Coal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradoras globais atoladas em projeto de areias betuminosas no Canadá

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião