Tecnológica portuguesa tem aplicação que pode permitir check-in nas praias

  • Lusa
  • 18 Maio 2020

A aplicação, que já é utilizada, por exemplo, em tribunais e serviços de saúde, precisa apenas de ter um ponto de controlo.

A portuguesa Proside disponibiliza uma aplicação, destinada a controlar filas de espera e fluxos de pessoas, que pode ser adaptada ao controlo da lotação máxima das praias, durante a pandemia de covid-19, funcionando como um serviço de ‘check-in’.

A aplicação ‘Próximo’ tem ainda a possibilidade de ser programada para fazer “reservas” de serviços e espaços associados, nomeadamente, estacionamento, lugar na praia e no restaurante, notificando os seus utilizadores da evolução da lotação do espaço ou local em causa.

“A nossa ideia é fazer um ‘check-in’ na praia. Utilizando uma ‘app mobile’, o cidadão pode selecionar a praia a que quer ir e marcar o seu lugar. Se um determinado espaço tiver bem definida a sua lotação, podemos atribuir esses lugares às pessoas e determinar quando é que ele está cheio ou disponível”, indicou o ‘managing partner’ da Proside, em declarações à Lusa.

Conforme explicou Paulo Alves, para isso, esta aplicação, que já é utilizada, por exemplo, em tribunais e serviços de saúde, precisa apenas de ter um ponto de controlo, no qual os utilizadores possam apresentar um ‘QR Code’, disponibilizar alguns dados e assim permitir o controlo da lotação do espaço.

Na prática, “é como ir a um concerto e apresentar um bilhete que tem que ser picado por alguém”, explicou, ressalvando que, na saída, é igualmente importante registar-se essa avaliação para que os utilizadores em fila de espera, num determinado raio, possam ser notificados sobre os lugares que ficam vagos.

Este responsável notou ainda que o sistema, que já conta com 16 anos, pode fornecer todas as informações recolhidas às autoridades competentes e, ir mais longe, ao gerir estacionamentos, toldos, espreguiçadeiras e o acesso aos restaurantes. Paulo Alves vincou ainda que os dados registados na base do serviço são “normalizados”, ou seja, a empresa avalia números “que andam para trás ou para a frente”.

Apesar de admitir que a tecnológica já recebeu alguns contactos informais sobre a aplicabilidade da ‘Próximo’ às praias, o ‘managing partner’ da Proside disse que ainda não foram contactados pelas entidades governamentais, sublinhando que estão a acompanhar o desenvolvimento da pandemia de covid-19 e as medidas de desconfinamento.

A ‘Próximo’ foi o primeiro produto da Proside e surgiu do desafio de “um hospital que queria uma solução de gestão de atendimento”.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 315.000 mortos e infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Portugal contabiliza 1.231 mortos associados à covid-19 em 29.209 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia. Relativamente ao dia anterior, há mais 13 mortos (+1,1%) e mais 173 casos de infeção (+0,6%).

Das pessoas infetadas, 628 estão hospitalizadas, das quais 105 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados é de 6.430. Portugal entrou no dia 3 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou na sexta-feira novas medidas que entram esta segunda-feira em vigor, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios. O regresso das cerimónias religiosas comunitárias está previsto para 30 de maio e a abertura das praias para 6 de junho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnológica portuguesa tem aplicação que pode permitir check-in nas praias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião