Google ajuda retalhistas portugueses nos processos de internacionalização

  • Lusa
  • 19 Maio 2020

A Google Portugal lançou um programa para ajudar as empresas de retalho a acelerarem os seus processos de internacionalização. O Continente e o Dott foram alguns dos sete retalhistas selecionados.

A Google Portugal iniciou esta terça-feira o Retail Export Accelerator Program, orientado para as empresas portuguesas de retalho com o objetivo de acelerar processos de internacionalização, tendo sido selecionados sete retalhistas, entre os quais o Continente e Dott.

“Uma vez que acreditamos muito no potencial que os retalhistas portugueses têm, achámos que fazia todo o sentido lançar este programa para os ajudar neste percurso”, afirmou Nuno Pimenta, responsável das áreas de startups, retalho e viagens na Google Portugal, numa apresentação do programa aos jornalistas.

Vamos ter sete retalhistas portugueses ao longo de 10 semanas em oito sessões, vamos ter cerca de seis equipas diferentes da Google envolvidas”, onde se vai trabalhar desde a identificação de mercados potenciais ou como ultrapassar barreiras operacionais, entre outros pontos, prosseguiu.

Os sete retalhistas portugueses são o Continente, Dott, Hôma, Lion of Porches, Mr. Blue, PCDIGA e Zippy.

“O crescimento do ‘ecommerce’ na Europa Ocidental entre 2016 e 2020 cresceu a um ritmo de cerca de 60% ao ano”, dados pré-pandemia, referiu Nuno Pimenta.

O responsável referiu que “cerca de 50% das pessoas que moram nestes países da Europa Ocidental (…) compram fora do seu país de origem”, o que “reforça aqui também a dimensão da oportunidade para os retalhistas portugueses”.

O Retail Export Accelerator Program visa proporcionar às empresas recursos e ferramentas de que precisam para as suas estratégias de crescimento e para a aceleração dos seus processos de internacionalização.

Este programa surge na sequência de outros programas de aceleração, projetos e iniciativas lançadas e disponibilizadas para apoiar ‘startups’ e empresas portuguesas de diferentes dimensões e diferentes indústrias”, refere a Google.

“As empresas foram selecionadas com base nas suas fortes propostas de valor e por contarem com equipas ágeis que poderão testar e adaptar os seus comportamentos e estratégias de modo a aproveitar ao máximo cada uma das sessões do programa”, refere a tecnológica.

No início do ano, a Google Portugal tinha já trazido para Portugal a primeira edição do StartUps Growth Lab, um programa Google for Startups constituído por workshops, formação e ‘mentoring’ para ‘startups’ portuguesas para acelerar o crescimento por via da aquisição de novos clientes e de receita.

“No mês passado, a Indico Capital Partners juntou-se à Google para lançar o Indico Accelerator by Google for StartUps em Portugal. Além dos programas de aceleração, desde 2016 temos em Portugal o Atelier Digital, cursos de formação gratuitos e ferramentas para ajudar as pessoas a encontrarem trabalho, progredirem nas suas carreiras ou fazerem crescer os seus negócios”, adianta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google ajuda retalhistas portugueses nos processos de internacionalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião