Solução de “contact tracing” da Google e Apple já está disponível

  • Lusa e ECO
  • 20 Maio 2020

A Google e a Apple já disponibilizaram às autoridades de saúde mundiais uma solução que permite notificar pessoas que estiveram perto de pessoas diagnosticadas com Covid-19.

As empresas norte-americanas Apple e Google disponibilizaram esta quarta-feira uma plataforma para smartphone que notifica automaticamente as pessoas que possam ter sido expostas ao novo coronavírus. Num comunicado conjunto, as duas tecnológicas indicaram que as aplicações já estão disponíveis para as autoridades sanitárias de todo o mundo e garantiram a privacidade dos dados.

“A partir de hoje [quarta-feira], a nossa tecnologia está disponível para as agências de saúde pública” no iOS (Apple) e Android (Google), os dois sistemas de exploração de smartphones, lê-se no documento. “O que construímos não é uma aplicação, mas mais um interface de programação (API) que as agências de saúde poderão integrar nas suas próprias aplicações”, esclarecem as duas gigantes tecnológicas.

A sua utilização está agora no campo dos investigadores de cada país, que terão de construir uma aplicação a partir dessa plataforma. Em Portugal, já é sabido que um grupo a cargo do INESC TEC está a desenvolver uma solução que assenta na tecnologia da Apple e da Google, mas ainda não se sabe quando e se a mesma será lançada ao público.

Na Europa, os países estão, na sua grande maioria, a privilegiar para uma aplicação que se apoia na ferramenta fornecida pela Apple e pela Google, mas a França e o Reino Unido optaram por uma aproximação diferente. Ambas as aplicações nestes países estão ainda na fase de teste.

Muitos governos têm tentado, na maioria sem sucesso, desenvolver as suas próprias aplicações com o mesmo fim da solução apresentada esta quarta-feira pela Apple e pela Google, de forma a combater a propagação do novo coronavírus. Muitas dessas aplicações têm encontrado problemas técnicos nos telemóveis da Apple e Android, que não foram ainda politicamente aprovadas. Ambas recorrem com frequência ao GPS para localizar as pessoas, algo que foi banido na nova ferramenta devido a questões ligadas à privacidade.

As agências de saúde públicas, desde a da Alemanha até às dos Estados norte-americanos de Alabama ou da Carolina do Sul, estavam a aguardar o modelo das duas gigantes tecnológicas, enquanto outros governos se debatem com legislação ligada à privacidade e à proteção de dados pessoais.

As duas empresas garantiram que não estão a substituir o rastreio de contactos, um pilar do controlo da infeção, o que obrigará a uma formação adequada dos que trabalham na área da saúde para que se possa contactar quem possa ter sido exposto à infeção.

No entanto, explicaram que o sistema de “notificação de exposição” automático agora desenvolvido pode aumentar o processo de deteção e atrasar a propagação do Covid-19 pelos “transportadores do vírus” que interagem com estranhos e que ainda não têm os sintomas da doença.

A Apple e a Google insistiram na ideia de que a identidade dos utilizadores da aplicação está protegida por um identificador encriptado e anónimo. “A aprovação do utilizador é a chave para o sucesso e acreditamos que esta forte proteção da privacidade são a melhor forma de encorajar o uso destas aplicações”, afirmaram as duas empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Solução de “contact tracing” da Google e Apple já está disponível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião