Endividamento público no Reino Unido alcança recorde em abril devido à pandemia

  • Lusa e ECO
  • 22 Maio 2020

Segundo o gabinete de estatísticas do Reino Unido, o endividamento do Governo britânico alcançou os 62.100 milhões de libras em abril. Este valor é explicado pelos gastos no combate ao Covid-19.

O endividamento do Governo britânico alcançou os 62.100 milhões de libras (68.746 milhões de euros) em abril, um valor mensal recorde e explicado pelos fortes gastos do Estado no combate a covid-19, segundo dados oficiais divulgados esta sexta-feira.

Segundo o gabinete de estatísticas do Reino Unido (ONS), o endividamento do setor público – que exclui os bancos nacionalizados – foi 51.100 milhões de libras (56.559 milhões de euros) mais elevado do que em abril de 2019.

O valor é também significativamente mais elevado do que o previsto pelos analistas, que tinham estimado um endividamento de 30.700 milhões de libras (33.970 milhões de euros) para esse período, refere a agência France Presse (AFP).

A crise originada pela covid-19 levou o Ministério da Economia a lançar um programa de manutenção de postos de trabalho, para evitar que as empresas diretamente afetadas pela crise despedissem os trabalhadores.

Com a medida, o Governo comprometeu-se a suportar 80% dos salários mensais dos trabalhadores em risco de despedimento até um máximo de 2.500 libras (2.758 euros).

Como resultado do aumento do endividamento estatal, a dívida líquida do setor público subiu até aos 1,8 mil milhões de libras (mais de 2,0 mil milhões de euros) no final de abril.

Vendas a retalho com maior queda de sempre em abril

A par do endividamento, também as vendas a retalho do Reino Unido tiveram, em abril, a maior queda mensal de sempre, ao contraírem 18% devido às medidas de confinamento contra a pandemia da Covid-19. Só nas compras de vestuário verificou-se uma queda de mais de 50%.

Trata-se de uma queda acentuada num mês de vendas, que já tinham caído 5,2% em março em relação a fevereiro, num período que incluiu apenas a primeira semana de confinamento introduzida em 23 de março no Reino Unido e que permaneceu em vigor durante todo o mês de abril, informou hoje o gabinete de estatísticas (ONS).

Todos os setores da economia registaram uma queda das vendas em abril, com o fecho generalizado das lojas, excluindo alimentação ou de venda de bens considerados essenciais.

Mesmo as vendas de bens alimentares recuaram 4% em abril, porque após um aumento recorde nas chamadas “compras de pânico”, antes do confinamento, as famílias deslocaram-se menos às lojas que permaneceram abertas.

O setor do vestuário foi particularmente atingido, com uma queda de 50% em volume, após uma descida de 34% no mês anterior, assim como os postos de gasolina, que também sofreram particularmente (com uma queda de 52%).

As vendas online, por seu turno, aumentaram 18%, assim como as compras de álcool (2,3%), principalmente porque bares e restaurantes foram fechados.

(Notícia atualizada às 11h37 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Endividamento público no Reino Unido alcança recorde em abril devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião