Hoje nas notícias: Novo Banco, TAP e SNS

  • ECO
  • 22 Maio 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Caso a auditoria de Deloitte conclua que houve má gestão no Novo Banco, o Fundo de Resolução pode denunciar o contrato, terminando as injeções que tem realizado ao abrigo do mecanismo de capital contingente. A TAP poderá receber uma injeção de capital na ordem dos mil milhões de euros, já as dívidas a fornecedores do SNS atingiram um mínimo histórico em março deste ano, com a dívida vencida há mais de 90 dias a ascender a pouco mais de 169 milhões de euros.

Má gestão no Novo Banco rompe contrato com Fundo de Resolução

António Costa disse no Parlamento que se a auditoria de Deloitte concluir que houve má gestão no Novo Banco, o Fundo de Resolução pode pedir de volta o dinheiro injetado indevidamente. Na venda do banco ao Lone Star, em 2017, ficou estabelecido que em caso de violação de alguma das obrigações, incluindo a gestão sã e prudente, o fundo de resolução da banca pode denunciar o contrato que obriga a injeções para cobrir perdas com ativos tóxicos. Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Injeção na TAP deverá rondar os mil milhões

A TAP deverá receber uma injeção na ordem dos mil milhões de euros, devendo ser seguido um modelo semelhante àquele que tem sido aplicado noutros países que já prestaram ajuda às suas companhias áreas: um rácio entre o número de aviões e o número de passageiros transportados em 2019. Há três cenários “em cima da mesa”: um apoio temporário, com dívida privada garantida pelo estado até 90%; a chamada compensação de danos — onde o Estado pode garantir até 100% –, ou um apoio de emergência que implica uma reestruturação da empresa. Leia a notícia completa em TSF (acesso livre).

Nunca a dívida a fornecedores do SNS foi tão baixa

Em março, a dívida vencida do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a fornecedores há mais de 90 dias estava em pouco mais de 169 milhões de euros, segundo os dados do portal do SNS. Nunca este valor foi tão baixo, desde que há registo (até janeiro de 2014). Também o prazo médio de pagamento registou um decréscimo: no primeiro trimestre deste ano, a média era 137 dias, quando no trimestre anterior estava em 145 dias. É preciso recuar ao primeiro trimestre de 2016 para encontrar o prazo médio de pagamento mais baixo: 126 dias. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Akuo investe até 300 milhões de euros na energia solar em Portugal

A Akuo prevê investir até 300 milhões de euros na construção de três centrais solares no Alentejo em meados de 2021, com o intuito de a produção arrancar um ano depois. A empresa francesa foi a vencedora do primeiro leilão de energia solar em Portugal, em 2019, conseguindo assegurar a maior potência. A Akuo está presente em 15 países. Leia a notícia completa no Jornal Económico (link indisponível).

Deputado europeu e ex-autarcas envolvidos em fraude milionária

O Ministério Público (MP) deduziu acusação contra nove arguidos que são suspeitos da prática de crimes de corrupção, prevaricação de titular de cargo político, branqueamento de capitais e participação económica em negócio. Entre os acusados está um deputado europeu e antigos autarcas. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Novo Banco, TAP e SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião