Número de empresas que despediram ou tencionam vir a despedir duplica

De abril para maio duplicaram as empresas que despediram ou tencionam vir a despedir. Intenção incide nos setores de alojamento, restauração, transportes, armazenagem e serviços, revela estudo da AIP.

O número de empresas que despediram ou pensam vir a despedir duplicou de abril (13%) para maio (26%). Esta intenção incide maioritariamente nos setores mais afetados por esta pandemia, como o alojamento e restauração, transportes, armazenagem e serviços, com foco nas pequenas e médias empresas, revela um estudo realizado pela Associação Industrial Portuguesa (AIP).

No setor do alojamento e restauração, 49% das empresas inquiridas já despediram ou tencionam vir a fazê-lo, o mesmo acontece nos transportes e armazenagem (34%), serviços (26%), indústria (22%), comércio (22%), construção (21%) e agricultura (17%).

Tendo em conta que um quarto das empresas já despediu ou tencionar enveredar por este caminho, 63% dos inquiridos pede ao Governo a prorrogação das atuais medidas de liquidez de forma a não ter de optar por esta solução, sendo que 58% pede o prolongamento do lay-off, de acordo com o estudo da AIP, que contou com a participação de mais de duas mil empresas.

Das atuais medidas, a suspensão de contribuições para a Segurança Social e das obrigações fiscais (64%) constituem as prioridades de prorrogação. Já a isenção da TSU (72%) e a redução da carga fiscal nos combustíveis e eletricidade (65%) são as mais apontadas como novas medidas de liquidez.

40% das empresas recorrerem a linhas de financiamento

O Governo atribui 6,3 milhões de euros para ajudar as empresas, mas a maioria dos inquiridos aponta o financiamento como um dos maiores problemas, sendo que 87% das empresas ainda não tinha recebido o financiamento aprovado. A banca já veio justificar a demora nas linhas de crédito com prazo limite de 30 dias para contratualizar.

Segundo este estudo da AIP, realizado entre 8 a 12 de maio de 2020, os pedidos de financiamento pela linha Covid-19 duplicaram entre abril (21%) e maio (40%). A indústria teve a maior evolução (de 23% para 45%). Quantos aos bancos foi o Millennium que registou o maior número de pedidos de financiamento (26%) e a maior taxa de aprovação (31%), contrariamente ao Santander que apresentou a maior taxa de não aprovação (23%).

As empresas médias e as exportadoras são as que mais recorreram ao financiamento, principalmente as empresas localizadas na região Norte (43%), sendo que o Alentejo regista a maior taxa de aprovação (48%), o centro a maior taxa de recebimento (20%) e Lisboa a menor (6%).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de empresas que despediram ou tencionam vir a despedir duplica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião