Futuro da Renault poderá estar em risco se não receber ajuda, avisa Le Maire

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, avisou que a fabricante de automóveis francesa pode desaparecer se não receber ajuda em breve, face aos prejuízos causados pela pandemia de Covid-19.

A par da aviação, a indústria automóvel é um dos setores mais afetados pela crise provocada pela pandemia. A produção e a venda de carros caiu a pique com as recomendações de confinamento e há já várias empresas a cortarem postos de trabalho para fazer face à crise. Nesse sentido, o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, alertou que a Renault “pode desaparecer” se não receber ajuda em breve.

Em declarações à rádio Europe 1, citadas pela Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês), o ministro das Finanças francês disse que a fábrica da empresa em Flins não deverá fechar, garantindo que a fabricante automóvel vai manter o máximo de empregos possível em França. Ainda assim, Bruno Le Maire alerta que o futuro da empresa pode estar em risco caso não receba ajuda estatal. “Sim, a Renault pode desaparecer”, admitiu o governante.

Nesse sentido, procurado evitar que desapareça efetivamente, o ministro francês disse que o conselho de administração da empresa está a trabalhar num novo plano estratégico, que contará com o apoio do governo francês.

No final de abril, a Comissão Europeia deu “luz verde” a um ajuda estatal de França à Renault. Em causa está uma garantia de empréstimo de cinco mil milhões de euros, de forma a atenuar os prejuízos sofridos com este surto.

A fabricante francesa, que tem 40 fábricas espalhadas por 16 países, encerrou quase todas as suas unidades de produção devido às medidas de confinamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Futuro da Renault poderá estar em risco se não receber ajuda, avisa Le Maire

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião