Renault Cacia também suspende produção, depois da PSA e da Autoeuropa

A fábrica automóvel da Renault Cacia em Aveiro também suspendeu a produção até 29 de março. PSA de Mangualde e Volkswagen Autoeuropa já tinham tomado decisões semelhantes.

Depois da PSA em Mangualde e da Volkswagen Autoeuropa em Palmela, a fábrica automóvel da Renault Cacia em Aveiro também vai parar em consequência do coronavírus. A direção já informou os colaboradores da suspensão da produção a partir desta quarta-feira, em vigor até dia 29 de março, avançou o Jornal de Negócios (acesso condicionado) e confirmou o ECO.

“Devido a dificuldades na cadeia coletiva de abastecimento da fábrica, por não termos os componentes necessários externos, para já vamos encerrar a fábrica entre 18 e 29 março”, disse ao ECO fonte oficial da empresa. Questionado sobre se esta paragem pode ser alargada no fim do período, a mesma fonte reconheceu que sim.

Já depois da publicação desta notícia, a Renault Cacia oficializou a paragem num comunicado: “Face à atual situação de disseminação do coronavírus e tendo como prioridade máxima a segurança dos seus trabalhadores, o grupo Renault decidiu suspender a produção da fábrica Renault Cacia, a partir das 6h00, de 18 de março. Esta decisão foi já comunicada às organizações sindicais”, informa a nota.

A decisão da suspensão da produção foi tomada na manhã desta terça-feira. Ora, num email enviado aos trabalhadores, a direção da Renault Cacia confirma que está a “sentir os efeitos diretos nas suas cadeias globais de abastecimento, fruto das medidas de contenção para minimizar os impactos da Covid-19”.

De acordo com o Negócios, a suspensão será consumada de duas formas. De 18 a 23 de março, serão utilizados créditos da bolsa de horas, “a título excecional”, mas alguns trabalhadores poderão usufruir de férias vencidas e não gozadas em anos anteriores, transitadas e superiores a 25 dias. Depois, de 24 a 29 de março, a empresa avançou com um período de férias coletivas.

Esta decisão segue-se a outras semelhantes que já foram tomadas por fábricas automóveis em Portugal, como é o caso da PSA em Mangualde e da Volkswagen Autoeuropa em Palmela. Esta última parou a produção “com efeitos imediatos” já na manhã desta terça-feira.

(Notícia atualizada a 18 de março, 10h35, com comunicado da Renault)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renault Cacia também suspende produção, depois da PSA e da Autoeuropa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião