Depois da PSA, Autoeuropa também suspende produção até 29 de março

A fábrica automóvel de Palmela informou que irá suspender a produção de automóveis até 29 de março e "com efeito imediato". Mantém em funcionamento apenas os "serviços mínimos necessários".

A Volkswagen Autoeuropa, fábrica automóvel de Palmela e a maior exportadora nacional, decidiu suspender a produção até ao dia 29 de março “com efeito imediato”. A decisão está relacionada com a pandemia do coronavírus.

Num comunicado, a empresa “informa todos os colaboradores e parceiros que suspende todos os turnos de produção de veículos até ao dia 29 de março e acrescenta que “vai manter em funcionamento todos os serviços mínimos necessários”. “Qualquer alteração decorrente de novas decisões será atempadamente informada”, sublinha a administração da empresa.

Além da decisão da suspensão, “a Volkswagen Autoeuropa reforça o agradecimento a todos pela confiança e compreensão perante esta situação, a qual tem novos desenvolvimentos a cada momento”, lê-se num breve comunicado divulgado esta terça-feira pela empresa.

Esta notícia surge numa altura em que a empresa tinha a ambição de acelerar a produção do SUV T-Roc para 45 unidades por hora no verão e já produzia 32 destes automóveis a cada 60 minutos. Além disso, na segunda-feira, foi noticiada a suspensão de dois turnos por falta de trabalhadores, que terão optado por ficar em casa para prevenir eventuais contágios e/ou para acompanharem os filhos após o encerramento das escolas decretado pelo Governo.

Também na segunda-feira, a Autoeuropa tinha decidido “reduzir a produção diária de 890 para 744 unidades, contribuindo para ajustar a fábrica às condições exigidas pelas autoridades nacionais”. Além disso, a administração tinha acordado com a Comissão de Trabalhadores o uso da ferramenta de flexibilidade laboral, down days, para agilizar a “assistência à família sem perda de retribuição”.

Assim, um dia depois, a Autoeuropa terá concluído pela impossibilidade de manter o funcionamento da fábrica nessas condições, optando pela suspensão até 29 de março. A informação foi comunicada pouco depois de Herbert Diess, presidente do grupo Volkswagen, ter anunciado a suspensão da produção em diversas fábricas da marca alemã, nomeadamente em Espanha, Eslováquia, Itália e Portugal.

“Espanha, Portugal, Eslováquia e Itália vão ser afetados a partir desta semana com interrupções na produção e a maioria das outras fábricas alemãs e europeias estão a preparar a suspensão de duas a três semanas. O objetivo principal é diminuir a propagação do coronavírus o máximo possível e, para esse fim, a Volkswagen aprovou inúmeras medidas”, disse o gestor, que falou também numa “clara deterioração nas vendas e incerteza no fornecimento”.

A suspensão da produção da Autoeuropa é uma notícia pouco animadora para a economia portuguesa. No ano passado, a fábrica de Palmela liderou o ranking das exportações em Portugal, o que não acontecia desde 2005, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). Em 2018, a fábrica foi responsável por 5% das exportações de bens e 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

O coronavírus tem provocado disrupção económica e social também em Portugal, onde os últimos dados apontavam para 331 casos de infeção. Já depois destes números, na segunda-feira, o Ministério da Saúde deu conta da primeira morte de um doente por causa do Covid-19, um homem de 80 anos que estava internado no Hospital Santa Maria. Espera-se que a Direção-Geral da Saúde atualize os números da pandemia nas próximas horas.

(Notícia atualizada pela última vez às 10h23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da PSA, Autoeuropa também suspende produção até 29 de março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião