Volatilidade regressa aos mercados. BCP já cai mais de 1%

A pressão vendedora está novamente a condicionar as ações europeias. O BCP chegou a ser a estrela do PSI-20, mas cedeu os ganhos e cai mais de 1%. Investidores vendem as posições em busca de liquidez.

Depois de um arranque de sessão positivo, a volatilidade está novamente instalada nas principais praças europeias. Alguns dos índices europeus negoceiam agora em terreno negativo e com perdas acima de 1,5%, enquanto o PSI-20 está com dificuldade em manter-se acima da linha de água.

O Stoxx 600 oscila entre ganhos e perdas, cotando em cerca de 282,8 pontos. Em simultâneo, o alemão Dax desvaloriza 1,53%, o francês CAC-40 perde 1,45% e o britânico FTSE 100 derrapa 2,02%. O português PSI-20 tem variado entre uma valorização expressiva próxima de 1% ou perdas em torno de 0,40%

Evolução da cotação do PSI-20

Este desempenho registado pelo índice nacional acontece num contexto de ganhos no setor energético, com a Galp Energia a somar 0,46%, para 8,316 euros, num dia em que o preço do Brent avança 0,20% em Londres, para 30,11 dólares. A EDP soma 0,83% e a EDP Renováveis recupera 0,81%. Além disso, os investidores estão a reagir positivamente ao crescimento do lucro dos CTT em 2019, divulgado esta segunda-feira pela empresa postal, e os títulos do grupo estão a valorizar 2,82%, para 1,898 euros.

No entanto, estes desempenhos positivos estão a ser contrabalançados por perdas expressivas noutras ações com “peso” no índice. É o caso da Corticeira Amorim, que prolonga as perdas da sessão anterior com uma queda de 3,32% em bolsa, para 7,57 euros, ou da operadora Nos, cujos títulos derrapam 2,08%, para 2,736 euros. Já o BCP, que chegou a registar uma subida de 4% no começo da sessão, inverteu e chegou a cair 1,28%. Perde agora 0,59%, para 10,09 cêntimos por ação.

Esta sessão de volatilidade acontece na sequência de mais um dia negro nos mercados de capitais, marcado pela queda de cerca de 3.000 pontos do Dow Jones em Wall Street, o segundo maior afundanço do índice industrial em mais de um século de história. Isto reflete o pânico dos investidores, que têm protagonizado um sell-off massivo de ativos de risco perante os receios em torno do impacto económico da pandemia do coronavírus.

Os principais bancos centrais tentaram acalmar os mercados com a Fed a cortar os juros de surpresa pela segunda vez em poucas semanas no domingo e a avançar com compras multimilionárias de ativos. No entanto, esta política monetária não está a dar ânimo aos investidores, que temem que o vírus seja o gatilho de uma recessão sem precedentes, com implicações não só no lado da procura, como também no lado da oferta.

Posto isto, nem mesmo o ouro, ativo de refúgio por natureza, escapa à pressão vendedora. O metal precioso desvaloriza 0,61%, para 1.477,5 euros, muito abaixo dos 1.600 dólares a onça a que chegou a cotar há poucos dias, à medida que o medo dos investidores os leva a procurar a proteção da liquidez.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volatilidade regressa aos mercados. BCP já cai mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião