Fed anuncia novo corte surpresa de juros. Bancos centrais unem-se para manter o dólar

Há um novo mega pacote de estímulos monetários. Pela segunda vez este mês, o banco central dos EUA decidiu cortar os juros de surpresa e vai comprar ativos para tentar amparar a economia.

Os bancos centrais estão a reagir com um mega pacote para manter a liquidez dos mercados financeiros. A Reserva Federal dos EUA (Fed) anunciou o segundo corte surpresa nos juros, desta vez para um patamar próximo do zero e alinhou numa ação coordenada dos principais bancos centrais, incluindo o Banco Central Europeu (BCE), que visa amparar o dólar perante a disrupção que está a ser provocada pela pandemia do coronavírus.

“O surto do coronavírus lesou comunidades e rompeu com a atividade económica em vários países, incluindo os EUA. A Fed está preparada para usar o seu vasto conjunto de ferramentas para apoiar o fluxo de crédito para famílias e empresas”, refere um comunicado do comité de política monetária da Fed.

A entidade liderada por Jerome Powell cortou a taxa de juro de referência em 100 pontos base para um intervalo entre 0% e 0,25%. Este é o segundo corte extraordinário nos juros este mês, num período de fortes restrições à atividade económica. A Fed justifica a decisão com o peso dos efeitos do coronavírus na atividade económica dos EUA e diz esperar que os juros se mantenham nos níveis atuais até ter confiança numa recuperação.

O comité espera manter este intervalo até estar confiante que a economia resistiu aos recentes eventos e que caminha para conseguir atingir os objetivos de máximo emprego e estabilidade dos preços. Esta ação irá ajudar a apoiar a atividade económica, a robustez das condições do mercado de trabalho e o regresso da inflação para o objetivo do comité de 2%”, explica.

A decisão de cortar novamente juros de forma inesperada — o que não acontecia desde a crise do subprime em 2008 — foi aplaudida pelo presidente dos EUA, Donald Trump. “É um grande passo, estou muito feliz. Coloca-nos em linha com outros países. Há muita gente feliz em Wall Street”, afirmou o norte-americano, que tem criticado a Fed por considerar os juros demasiado elevados em comparação com regiões como a Zona Euro. No entanto, os futuros de Wall Street não indicam o mesmo entusiasmo: afundam 4% após o anúncio.

Compra de 700 mil milhões em dívida e alívio da banca

Os juros de referência são apenas uma parte da reação do banco central dos EUA. A entidade liderada por Jerome Powell anunciou ainda que vai comprar de ativos no valor total de 700 mil milhões de dólares, que abrangerá Treasuries e dívida hipotecária, numa espécie de quarto programa de quantitative easing. “A Reserva Federal está preparada para usar a totalidade das ferramentas para apoiar o fluxo de crédito para as famílias e para os negócios e, assim, promover os objetivos de máximo emprego e estabilidade de preços”, disse.

Em simultâneo, a Fed reconhece o “importante papel” da banca a manter a liquidez e estabilidade do sistema financeiro e anunciou, por isso, medidas de apoio para o setor. Incentiva as instituições financeiras a usarem a “janela de desconto” para se financiarem e repassem à economia através do crédito, baixando a taxa de juro em 150 pontos base para 0,25%. Reforçou a disponibilidade de crédito intradiário e reduziu ainda os requisitos de capital para incentivar os bancos a usarem as almofadas financeiras que têm.

“Desde a crise financeira global de 2007 e 2008, os bancos dos EUA acumularam níveis de capital liquidez substancialmente acima dos mínimos regulatórios”, lembra a Fed. “Estas almofadas de capital e liquidez estão desenhadas para apoiar a economia em situações adversas e permitir aos bancos continuar a servir famílias e negócios. A Reserva Federal apoia as empresas que escolham usar as almofadas de capital e liquidez para emprestar e tomar outras medidas de apoio”.

Estas medidas são semelhantes (numa escala mais alargada) às anunciadas pelo Banco Central Europeu (BCE) esta semana: menos juros, mais compra de ativos e menos requisitos para a banca. E os vários bancos centrais têm dito que estão a alinhar uma estratégia conjunta para responder à crise gerada pelo surto de coronavírus. Este domingo foi anunciada também uma ação coordenada, resultante desse alinhamento, com a Fed, o BCE, o Banco do Canadá, o Banco de Inglaterra, o Banco do Japão e o Banco Nacional Suíço a criarem uma rede de segurança para o dólar.

O grupo baixou a taxa dos contratos de crédito swap overnight do dólar norte-americano em 25 pontos base para garantir que a liquidez nos mercados financeiros não seca. Os bancos centrais irão ainda oferecer dólares nos respetivos países, semanalmente, com uma maturidade de 84 dias, além das operações com a maturidade de uma semana que são atualmente executadas. “A nova taxa e as novas maturidades vão estar em vigor durante o tempo que for necessário para apoiar o funcionamento do dólar norte-americano no financiamento dos mercados”, acrescentou a Fed.

(Notícia atualizada às 22h20)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Fed anuncia novo corte surpresa de juros. Bancos centrais unem-se para manter o dólar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião