Fed anuncia novo corte surpresa de juros. Bancos centrais unem-se para manter o dólar

Há um novo mega pacote de estímulos monetários. Pela segunda vez este mês, o banco central dos EUA decidiu cortar os juros de surpresa e vai comprar ativos para tentar amparar a economia.

Os bancos centrais estão a reagir com um mega pacote para manter a liquidez dos mercados financeiros. A Reserva Federal dos EUA (Fed) anunciou o segundo corte surpresa nos juros, desta vez para um patamar próximo do zero e alinhou numa ação coordenada dos principais bancos centrais, incluindo o Banco Central Europeu (BCE), que visa amparar o dólar perante a disrupção que está a ser provocada pela pandemia do coronavírus.

“O surto do coronavírus lesou comunidades e rompeu com a atividade económica em vários países, incluindo os EUA. A Fed está preparada para usar o seu vasto conjunto de ferramentas para apoiar o fluxo de crédito para famílias e empresas”, refere um comunicado do comité de política monetária da Fed.

A entidade liderada por Jerome Powell cortou a taxa de juro de referência em 100 pontos base para um intervalo entre 0% e 0,25%. Este é o segundo corte extraordinário nos juros este mês, num período de fortes restrições à atividade económica. A Fed justifica a decisão com o peso dos efeitos do coronavírus na atividade económica dos EUA e diz esperar que os juros se mantenham nos níveis atuais até ter confiança numa recuperação.

O comité espera manter este intervalo até estar confiante que a economia resistiu aos recentes eventos e que caminha para conseguir atingir os objetivos de máximo emprego e estabilidade dos preços. Esta ação irá ajudar a apoiar a atividade económica, a robustez das condições do mercado de trabalho e o regresso da inflação para o objetivo do comité de 2%”, explica.

A decisão de cortar novamente juros de forma inesperada — o que não acontecia desde a crise do subprime em 2008 — foi aplaudida pelo presidente dos EUA, Donald Trump. “É um grande passo, estou muito feliz. Coloca-nos em linha com outros países. Há muita gente feliz em Wall Street”, afirmou o norte-americano, que tem criticado a Fed por considerar os juros demasiado elevados em comparação com regiões como a Zona Euro. No entanto, os futuros de Wall Street não indicam o mesmo entusiasmo: afundam 4% após o anúncio.

Compra de 700 mil milhões em dívida e alívio da banca

Os juros de referência são apenas uma parte da reação do banco central dos EUA. A entidade liderada por Jerome Powell anunciou ainda que vai comprar de ativos no valor total de 700 mil milhões de dólares, que abrangerá Treasuries e dívida hipotecária, numa espécie de quarto programa de quantitative easing. “A Reserva Federal está preparada para usar a totalidade das ferramentas para apoiar o fluxo de crédito para as famílias e para os negócios e, assim, promover os objetivos de máximo emprego e estabilidade de preços”, disse.

Em simultâneo, a Fed reconhece o “importante papel” da banca a manter a liquidez e estabilidade do sistema financeiro e anunciou, por isso, medidas de apoio para o setor. Incentiva as instituições financeiras a usarem a “janela de desconto” para se financiarem e repassem à economia através do crédito, baixando a taxa de juro em 150 pontos base para 0,25%. Reforçou a disponibilidade de crédito intradiário e reduziu ainda os requisitos de capital para incentivar os bancos a usarem as almofadas financeiras que têm.

“Desde a crise financeira global de 2007 e 2008, os bancos dos EUA acumularam níveis de capital liquidez substancialmente acima dos mínimos regulatórios”, lembra a Fed. “Estas almofadas de capital e liquidez estão desenhadas para apoiar a economia em situações adversas e permitir aos bancos continuar a servir famílias e negócios. A Reserva Federal apoia as empresas que escolham usar as almofadas de capital e liquidez para emprestar e tomar outras medidas de apoio”.

Estas medidas são semelhantes (numa escala mais alargada) às anunciadas pelo Banco Central Europeu (BCE) esta semana: menos juros, mais compra de ativos e menos requisitos para a banca. E os vários bancos centrais têm dito que estão a alinhar uma estratégia conjunta para responder à crise gerada pelo surto de coronavírus. Este domingo foi anunciada também uma ação coordenada, resultante desse alinhamento, com a Fed, o BCE, o Banco do Canadá, o Banco de Inglaterra, o Banco do Japão e o Banco Nacional Suíço a criarem uma rede de segurança para o dólar.

O grupo baixou a taxa dos contratos de crédito swap overnight do dólar norte-americano em 25 pontos base para garantir que a liquidez nos mercados financeiros não seca. Os bancos centrais irão ainda oferecer dólares nos respetivos países, semanalmente, com uma maturidade de 84 dias, além das operações com a maturidade de uma semana que são atualmente executadas. “A nova taxa e as novas maturidades vão estar em vigor durante o tempo que for necessário para apoiar o funcionamento do dólar norte-americano no financiamento dos mercados”, acrescentou a Fed.

(Notícia atualizada às 22h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed anuncia novo corte surpresa de juros. Bancos centrais unem-se para manter o dólar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião