Bancos devem cortar custos e subir comissões contra o Covid-19. Mas pode não ser suficiente, alerta o FMI

Fundo Monetário Internacional antecipa que as instituições financeiras continuem sob forte pressão mesmo depois da Covid-19. Alternativa pode passar por aumentar a exposição a ativos de risco.

A capacidade dos bancos de gerar lucros está sob forte pressão. Já estava antes do coronavírus e tem agora dificuldades acrescidas, o que deverá levar a um corte nos custos operacionais ao mesmo tempo que reforçam a cobrança de comissões bancárias. É esta a expectativa do Fundo Monetário Internacional (FMI), que alerta que a estratégia poderá, no entanto, não ser suficiente para que a banca regresse aos lucros.

Quando os desafios imediatos acalmarem, os bancos poderão dar passos para mitigar as pressões sobre os lucros, incluindo aumentando as receitas com comissões ou cortando custos, mas será difícil que consigam completamente aliviar as pressões sobre os lucros”, diz o FMI no Relatório de Estabilidade Financeira Global de abril, divulgado esta sexta-feira.

A preocupação do fundo de Bretton Woods é que, para conseguir recuperar, os bancos aumentem a exposição a ativos mais arriscados e, consequentemente, coloquem em causa a estabilidade financeira. “A médio prazo, os bancos poderão procurar compensar os lucros perdidos acumulando riscos excessivos“, aponta.

Se ainda for, as vulnerabilidades do sistema bancário voltarão a acumular, “lançando as sementes de problemas futuros”. Em alternativa, o FMI sugere que as autoridades dos países poderão implementar medidas políticas para limitar a tomada de risco pela banca e “assegurar o adequado fluxo de crédito para a economia”.

Além de um problema de saúde pública, o coronavírus está a revelar-se a causa para a maior crise económica desde a Segunda Guerra Mundial. Com o emprego e rendimentos afetados, a perspetiva é que famílias e empresas tenham mais dificuldades em cumprir com as obrigações financeiras que têm, o que tem levado, a nível global, a banca a fazer provisões para acautelar as perdas com crédito.

Em Portugal, os quatro principais bancos que já apresentaram resultados registaram provisões de 200,8 milhões de euros para fazer face à crise económica provocada pela pandemia. E o efeito da estratégia já se fez sentir de forma intensa nos resultados do primeiro trimestre de Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander e BPI: os lucros caíram para 246 milhões de euros no primeiro trimestre. O valor representa metade dos 466 milhões de euros registados no mesmo período do ano passado.

A situação deverá agravar-se já que o primeiro trimestre só foi afetado pelo vírus num mês. A simulação realizada pelo FMI a nove países desenvolvidos indica que “uma grande parte” dos setores bancários “não vão conseguir gerar lucros acima do custo de capital” antes de 2025. É que mesmo após a retoma após o vírus, há fontes de pressão que irão manter-se.

“A rentabilidade tem sido persistentemente um desafio para os bancos em muitas economias desenvolvidas desde a crise financeira global. Apesar de a política monetária acomodatícia ajudar a sustentar ajudou a sustentar o crescimento económico e apoiou os resultados dos bancos, taxas de juro muito baixas comprimiram as margens financeiras”, diz o FMI, acrescentando considerar que “é provável que um período persistente de baixas taxas de juro continue a pressionar a rentabilidade da banca a médio prazo“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos devem cortar custos e subir comissões contra o Covid-19. Mas pode não ser suficiente, alerta o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião