Pandemia obriga banca a fazer 200 milhões em provisões

  • ECO
  • 20 Maio 2020

Quatros dos principais bancos nacionais viram o lucro cair para metade no primeiro trimestre por causa do dinheiro que tiveram de colocar de lado para fazer face à crise da pandemia.

Quatro dos principais bancos nacionais que já apresentaram resultados registaram provisões genéricas de 200,8 milhões de euros para fazer face à crise económica provocada pela pandemia, segundo as contas do Jornal de Negócios (ligação indisponível). O BCP foi quem colocou mais dinheiro de lado: 78,8 milhões de euros.

Depois do BCP, com provisões de quase 80 milhões, segue-se a CGD com 60 milhões. Já o Santander e o BPI colocaram de lado 30 milhões cada, naquele que, notam os banqueiros, se trata de um exercício de prudência antes do que esperam ser um aumento do número de incumprimentos. Admitem que podem ter de fazer mais provisões no futuro caso o impacto do coronavírus seja mais profundo.

Ainda assim, o efeito das provisões nos resultados do primeiro trimestre de Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Santander e BPI já foi sentido com intensidade: os lucros caíram para metade face ao mesmo período do ano passado, dos 466 milhões de euros para os 246 milhões.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pandemia obriga banca a fazer 200 milhões em provisões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião