Cofina arrisca pagar seis vezes mais que Mário Ferreira por ações da Media Capital

Dona do Correio da Manhã entrou em contra-relógio para justificar argumentos que deu para pedir o fim da OPA à Media Capital. Em última análise, pode ser obrigada pela CMVM a ficar com 5% do capital.

A Cofina entrou em contra relógio e tem até dia 1 de junho para contestar a decisão preliminar da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) sobre o fim da oferta pública de aquisição (OPA). O regulador pode obrigar a Cofina a pagar 10,5 milhões de euros por 5% do capital, exatamente o mesmo valor que o empresário Mário Ferreira pagou por 30%.

Em causa estão 4,5 milhões de ações da Media Capital. Era este o montante que não era detido pela Prisa e que a Cofina se propunha a comprar, numa operação de mercado, enquanto preparava em simultâneo uma compra privada dos outros 95% aos espanhóis. Com a queda do negócio principal, a Cofina pediu à CMVM que extinguisse a OPA.

O supervisor liderado por Gabriela Figueiredo Dias considerou que as duas razões dadas pela empresa não eram válidas e manteve a OPA em curso. Assim, continua viva a operação na qual a Cofina se propôs a comprar 4.269.869 ações da Media Capital detidas pelo Abanca (5,05%) e outras 215.704 ações dispersas em bolsa (0,26%).

A Cofina foi notificada do projeto de decisão de indeferimento do requerimento para que, querendo, sobre ele se pronuncie no prazo de dez dias úteis“, explicou a CMVM, em comunicado, esta segunda-feira. O prazo já arrancou para a Cofina apresentar “prova destinada a esclarecer os aspetos suscitados” pelo supervisor e que fundamentaram a “conclusão preliminar” de não extinguir a OPA.

Caso a Cofina responda (o que poderá escolher não fazer), a CMVM volta a analisar os dados, sendo que não há um prazo para esta nova fase. A OPA só chegará ao fim se a dona do Correio da Manhã conseguir provar que fez tudo o que podia para levar avante o aumento de capital que iria financiar a operação (e que falhou por menos de 3 milhões de euros) ou que as circunstâncias se alteraram realmente.

Se a CMVM mantiver a decisão, há duas opções. A Cofina pode manter a quizília e, em última análise, levar o caso a Tribunal. Ou pode acatar e ficar com os ditos 5,31% do capital, o que lhe deverá custar 10.467.533,20 euros. O valor é o mesmo que o empresário Mário Ferreira, que é acionista do ECO, pagou por 30,22% do capital.

A razão para a Cofina pagar o mesmo por seis vezes menos prende-se com a natureza da operação. É que a venda ao CEO da Douro Azul foi feita de forma privada pelo acionista principal da Media Capital, a Prisa. E a venda pela Cofina é uma operação de mercado, cujo preço foi alvo de auditoria.

Em fevereiro, o auditor independente nomeado pela CMVM calculou que o valor da Media Capital se situava em apenas 1,90 euros por ação, tendo em consideração tanto múltiplos de cotação como de transação.

“Apurámos que o valor médio da ação da Media Capital, para 100% do capital, corresponde a 1,90 euros, que resulta da ponderação equitativa das duas abordagens”, lê-se no relatório. Acrescenta, no entanto, que “o valor da contrapartida a pagar no âmbito da referida oferta deverá ser de 2,3336 euros“.

Em bolsa, cada ação vale 2,34 euros

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina arrisca pagar seis vezes mais que Mário Ferreira por ações da Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião