Programa de estabilização avança com “Simplex SOS”

  • Lusa
  • 22 Maio 2020

"Nesta fase, precisamos de um ‘Simplex SOS’ que auxilie os processos de investimento e de resposta às necessidades desta crise", diz António Costa.

O secretário-geral do PS revelou que o programa de estabilização económica e social do país vai prever um mecanismo de “Simplex SOS” para desburocratizar investimento e obras para a eliminação do amianto nas escolas.

Estas foram duas das medidas que António Costa revelou perante a Comissão Política Nacional do PS, quando abordou o conteúdo do programa de estabilização económica e social que irá apresentar aos partidos com representação parlamentar e aos parceiros sociais no início da próxima semana.

O programa, segundo o primeiro-ministro, terá quatro pilares, sendo o primeiro destinado a “agilizar os procedimentos necessários para que Estado, autarquias ou empresas possam investir com segurança, com transparência, mas sem burocracia”.

“Por isso, nesta fase, precisamos de um ‘Simplex SOS’ que auxilie os processos de investimento e de resposta às necessidades desta crise”, disse, adiantando que a segunda dimensão do programa estará centrada nas empresas.

“Precisamos que as micro e pequenas empresas estejam vivas para, quando chegarmos à fase de relançamento e reconstrução da economia, possamos contar com elas. Não há rendimento, não há emprego sem empresas, e se queremos proteger emprego e rendimento temos de apoiar as empresas. Temos também de apoiar as empresas exportadoras, que, agora, enfrentam um mercado global que simultaneamente se fechou de leste a oeste”, disse.

O terceiro pilar do programa, segundo o líder do executivo, estará relacionado com o emprego, “mantendo as medidas que têm sido adotadas, reinventando esses mecanismos de apoio e, em particular, responder às necessidades das jovens gerações, que estão a ser atingidas pela segunda vez numa década por duas crises brutais”.

Neste terceiro pilar, o primeiro-ministro defendeu a realização de pequenas obras, livres de processos burocráticos de contratação e que “são urgentes”.

“Agora que as escolas estão fechadas, é também agora ou nunca que temos de eliminar o amianto das escolas. Temos de lançar uma grande operação de eliminação do amianto das escolas”, destacou António Costa.

De acordo com o líder socialista, em termos de obras, a prioridade será também a construção das faixas de interrupção de combustível, algo que considerou “fundamental para contrariar a ameaça dos incêndios florestais”.

“Temos de recuperar o atraso nos pequenos programas de acessibilidades aos edifícios públicos para todas as pessoas com deficiência. Estas medidas já deviam estar implementadas em 2017, mas estão atrasadas. É agora ou nunca que temos de recuperar esse atraso, efetuando essas pequenas obras”, frisou.

O quarto pilar do programa de estabilização visa responder à “dimensão social da crise e passa por prosseguir o reforço do Serviço Nacional de Saúde e da escola pública”, apontou António Costa.

Para o líder socialista, esta crise “permitiu uma lição: quando a escola pública fecha, as desigualdades existentes emergem com grande evidência, desde logo entre quem tem e quem não tem acesso ao ensino à distância por via digital”.

“Temos de chegar à abertura do ano letivo assegurando a universalidade do ensino à distância a todas as crianças” acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de estabilização avança com “Simplex SOS”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião