Má gestão no Novo Banco rompe contrato com Fundo de Resolução

  • ECO
  • 22 Maio 2020

Contrato de venda ao Lone Star estabelece que Fundo de Resolução pode acabar com injeções no Novo Banco em caso de não ter havido gestão sã e prudente no banco.

António Costa disse no Parlamento que se a auditoria de Deloitte concluir que houve má gestão no Novo Banco, o Fundo de Resolução pode pedir de volta o dinheiro injetado indevidamente. Na venda do banco ao Lone Star, em 2017, ficou estabelecido que em caso de violação de alguma das obrigações, incluindo a gestão sã e prudente, o fundo de resolução da banca pode denunciar o contrato que obriga a injeções para cobrir perdas com ativos tóxicos, avança o Jornal de Negócios (acesso pago).

Segundo o jornal, o contrato elenca, numa clausula geral, as obrigações que o Novo Banco deve cumprir até 2026, destacando-se a gestão sã e prudente, a veracidade nas contas e a transparência na prestação de informação.

Se houver uma violação grosseira de alguma das obrigações, o Fundo de Resolução liderado por Máximo dos Santos pode fazer a denúncia do contrato, recorrendo-se aos tribunais, deixando de haver lugar às injeções que tem feito no banco ao abrigo do mecanismo de capital contingente.

Este mecanismo funciona como uma espécie de garantia pública e serve para cobrir as perdas do Novo Banco com um conjunto de ativos tóxicos herdados do BES. Até hoje, já foram usados 3.000 milhões de euros dos 3.890 milhões previstos no mecanismo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Má gestão no Novo Banco rompe contrato com Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião